terça-feira, 6 de dezembro de 2011

R.F.Lucchetti


LUCCHETTI: O INICIADOR DA CULTURA CINEMATOGRÁFICA EM RIBEIRÃO PRETO

por: Rafael Spaca

Certamente poucas pessoas têm conhecimento – e, talvez, as que tiveram ainda a retém na memória por ter sido um acontecimento sem precedente até hoje ocorrido em Ribeirão Preto há exatamente 50 anos, quando se realizou as mais variadas manifestações em torno da personalidade e da obra de Charles Spencer Chaplin, a Semana Chapliniana. Ela foi obra de uma única pessoa: Rubens Francisco Lucchetti, de quem Alex Viany, um dos mais importantes historiadores e crítico de cinema disse: “Rubens Francisco Lucchetti, sem dúvida um dos maiores estudiosos brasileiros da obra de Chaplin*”.

Talvez os que cuidam da cultura e arte em Ribeirão Preto não tem conhecimento do movimento cultural desenvolvido nessa cidade durante a primeira metade da década de 1960, por apenas duas entidades: Clube de Cinema e Centro Experimental de Cinema. Ambos levaram ao mundo o nome de Ribeirão Preto, apontando seus foros de cultura e civilidade. Também porque foi até hoje a única do planeta a realizar manifestações artísticas de alto valor e raro brilho para homenagear a figura ímpar do cômico inglês, o que elevou o nome e prestigio de Ribeirão Preto além das fronteiras dos seus limites.

Depois de consumir por mais de dez anos de uma paciente elaboração, escrevendo textos, scripts, monólogos e de haver reproduzindo em mais de cem bicos-de-penas a imagem de Carlitos em seus múltiplos gestos e expressões faciais e corporais, Rubens não sabia o que fazer com todo esse riquíssimo material que ele guardava. Não era sua intenção lançá-lo como livro, certamente seria um a mais entre os milhares que se escrevem anualmente sobre Charles Chaplin em todo o mundo. A oportunidade surgiu com a fundação do Clube de Cinema de Ribeirão Preto.

Aos 28 de agosto de 1959, incentivado pelo crítico de cinema do Suplemento Literário de O Estado de S.Paulo e conservador chefe da Cinemateca Brasileira, Paulo, Paulo Emílio Sales Gomes que, fora a Ribeirão Preto a convite de um grupo de professores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, para proferir no Centro Médico uma conferência subordinada ao tema “O Expressionismo no Cinema Alemão”, fundava-se o Clube de Cinema de Ribeirão Preto que de imediato tornou-se um dos líderes do Brasil, graças à Semana Chapliniana.

A Semana Chapliniana nasceu sob a égide do Clube de Cinema entre os dias 12 a 19 de março de 1960. Por intermédio do Clube de Cinema, Lucchetti conseguiu mobilizar todas as forças vivas da cidade. As três emissoras de rádio: PRA-7 Rádio Clube de Ribeirão Preto, ZYR-79 Rádio Ribeirão Preto e ZYR-229 Rádio Brasiliense, bem como a emissora de televisão local TV-Tupi, Canal 3, dedicavam diariamente, horas inteiras com entrevistas, comentários e crônicas, além de divulgarem a programação do dia.

Seus programas habituais de mesas redondas e entrevistas foram todos dedicados a Charles Chaplin e, scripts especiais consagrados à biografia de Chaplin e à vida fictícia de Carlitos. As partituras musicais por ele compostas foram executadas com êxito. Os jornais locais, ‘Diário de Notícias’, ‘O Diário’, ‘Diário da Manhã’ e ‘A Cidade’, publicavam diariamente a programação do dia e entrevistaram intelectuais e personalidades políticas locais, convidando-as por intermédio de questionários a externar suas opiniões acerca da arte chapliniana. ‘O Diário de Notícias’, sob a responsabilidade de Lucchetti, publicou um Suplemento Especial de 18 páginas, fartamente ilustrado com fotos e desenhos, todo dedicado à vida e à obra de Chaplin.

Foi organizada uma exposição com os bicos-de-penas** de Lucchetti com as imagens de Carlitos. Houve também o lançamento de uma flâmula para comemorar o evento.

O centro de interesse popular foram, sem dúvida, as projeções das comédias de Carlitos. Mas a Semana não se limitou a promover a exibição de quase todas as fitas primitivas de Carlitos, nos auditórios da Societá Dante Alighieri e Centro Médico. Depois de muita persuasão, Lucchetti conseguiu convencer empresários dos cinemas comerciais a programar filmes de Chaplin, alguns até com a censura vencida. Inicialmente houve relutância, uma vez que, pelos borderôs anteriores, os empresários comprovaram que as fitas de Chaplin deram prejuízos. “É um artista do passado”, argumentaram. Mas, afinal acabaram concordando, menos com objetivos de lucros do que com objetivos de colaborar com a iniciativa, que já estava sendo aguardada com interesse por toda a comunidade, uma vez que Lucchetti fazia uma intensa campanha publicitária por intermédio das rádios e dos jornais e cartazes por ele confeccionados e distribuídos no comércio. 

Não faltou nem mesmo folhetos atirados de um téco-téco do aeroporto local: foram milhares deles fazendo uma verdadeira “chuva” Sobre a cidade. Por tudo isso, certamente, os empresários perceberam as circunstâncias agora em outras mais favoráveis. E foi o que aconteceu, o Cine Centenário (800 lugares) e o São Jorge (1.800 lugares) foram demasiados pequenos para acolher a enorme massa humana que acorria para ver ‘O Eterno Vagabundo’... e muitos para revê-lo. Foi quando aconteceu um fenômeno, ‘Tempos Modernos’, que ao ser exibido no ano anterior fora um fracasso, pois tinha sido visto por apenas uma dezena de pessoas, agora atingia a milhares de espectadores, que lutavam nas bilheterias para conseguir um ingresso, tal o interesse despertado.

Só para complementar, a Semana Chapliniana foi aberta com uma palestra do Pe. Celso Ibson de Sylos, diretor do ‘Diário de Notícias’, subordinada ao tema ‘Carlitos, ator ou diretor’ e encerrada por Paulo Emílio Sales Gomes que discorreu sobre as ‘Perplexidades Chaplinianas’.

Poucos meses mais tarde, junho de 1960, a convite do Clube de Cinema, vinha a Ribeirão Preto o eminente professor de História da Arte, Carlos Vieira, para proferir no Centro Médico a palestra ‘O Cinema Interpreta as Artes’. Na ocasião foram exibidos vários filmes de arte e experimentais, entre os quais, alguns do artista canadense Norman McLaren. Foram exatamente os filmes de McLaren que impressionaram o artista plástico e escultor Bassano Vaccarini e Rubens Francisco Lucchetti e os levaram a fundar o Centro Experimental de Ribeirão Preto, imaginando que pudessem interessar os artistas da cidade, uma vez que ela contava com duas escolas de Belas Artes. Mas não foi isso que aconteceu; não conseguiram sensibilizar uma só alma, e a produção de filmes experimentais com câmera ou sem câmera (desenhados diretamente na película) se restringiu à dupla.

Quanto ao Clube de Cinema não foi diferente. Passados o entusiasmo dos primeiros meses, Lucchetti transformou-se no projecionista e único espectador para os filmes que ele programava; alguns das distribuidoras (Ribeirão Preto era o centro cinemagráfico de uma extensa região, até mesmo os filmes exibidos em Brasília eram programados e marcados nessa cidade; por isso, todas as empresas distribuidoras de filmes mantinham nela suas agências), ou das relações remetidas pelas Embaixadas e Consulados e até mesmo vindas diretamente de seus países de origem via Mala Diplomática, convertendo a sala de visitas de sua casa, para desespero de sua mulher, num verdadeiro depósito de latas de filmes. A fundação de um clube de cinema já era uma idéia que Lucchetti tentava implantar em Ribeirão Preto desde 1948 quando começou sua militância na imprensa ribeirãopretana***. Portanto, agora que ele o tinha em suas mãos, pretendia lutar para não perdê-lo. Certa vez declarou numa entrevista: “Chegou um momento que resolvi dar uma banana para um público desinteressado em cultura cinematográfica desde que eu estivesse. Tinha sede de ver filmes que nunca os viria no circuito comercial”.

Lucchetti pôs, então, em prática uma estratagema: mandou imprimir por conta própria papel timbrado e envelope com seu próprio endereço, que passou a ser o endereço oficial do Clube de Cinema e do Centro Experimental. Por intermédio dos jornais locais, ele divulgava as sessões (das quais era praticamente o único espectador) e escrevia comentários sobre os filmes exibidos. Todo esse material, mais os boletins que redigia e editava por conta própria e os Suplementos Especiais do ‘Diário de Notícias’ que desde a Semana Chapliniana passou a dirigir; Lucchetti os remetia para as entidades com as quais o Clube de Cinema e o Centro Experimental estavam ligados, bem como a críticos, não só do Brasil como também do exterior, dando uma falsa idéia de que havia em Ribeirão Preto um grupo dedicado à difusão da cultura cinematográfica e produção de filmes experimentais, fazendo da cidade um pólo de cinema sob todos os aspectos. Mas essa sua atitude ditatorial de haver encampado o Clube de Cinema contava com o aval da dra. Glete de Alcântara. Fora ela a responsável pela vinda de Paulo Emílio a Ribeirão Preto, de quem era amiga particular e também uma das principais entusiastas para a fundação de um clube de cinema, à qual Lucchetti sempre se reportava na Escola de Enfermagem da qual a ilustre médica era diretora. Na verdade, a dra. Glete foi sua grande incentivadora e deu-lhe desde o inicio total carta branca uma vez que a boa doutora via em Lucchetti um potencial homem de cinema e nisso ela não se enganou.

Além das sessões ordinárias, esvaziadas, é verdade que os eventos especiais alcançavam uma certa ressonância – mais como acontecimento social do que artístico – e que conseguiam desentocar até mesmo os esquivos diretores do Clube de Cinema. 

Um desses eventos aconteceu ainda em agosto de 1960 entre os dias 13 a 20. Lucchetti oferecia à cidade o Festival de Introdução do Cinema Francês, com a presença ilustre do sr. Amy B. Courvoisier, delegado para a América Latina da Unifrance Film, entidade para a divulgação do Cinema Francês em todo o mundo.

Esse festival foi uma retrospectiva desde o nascimento do cinema até a sua produção mais recente do cinema francês. Alguns deles em 16mm foram exibidos no Centro Médico e os longas-metragens no Cine São Jorge, com entrada franca.

Mas o que chamou mesmo a atenção do grande público foi sem dúvida a Exposição Unifrance Film constituída por fotos do famoso Sam Lévin dos principais artistas franceses: Brigitte Bardot, Martine Carol, André Gelin, Marie Laforêt, Michele Morgan, Gerard Phillipe, entre outros, todos vindos especialmente de Paris para Ribeirão Preto e ainda contou com a avant-premiére mundial do desenho de Paul Grimault, La Bergére etle Ramoneur, numa sessão de gala no Cine São Jorge.

Porém a inquietação de Lucchetti não conhecia limites. Para o evento seguinte fixou-se num Festival de Cinema de Animação que se constituía uma lacuna como ele teve oportunidade de constatar. Nunca havia sido realizado um entre nós que houvesse homenageado todos os gêneros de animação: o infantil, o publicitário e o experimental. Imaginou que ele deveria realizá-lo em São Paulo, e ao invés do Clube de Cinema desta vez teria o aval do Centro Experimental já granjeara um nome respeitável além fronteiras da cidade, Lucchetti não teve dificuldade em conseguir o Museu de Arte de São Paulo para ali realizá-lo entre os dias 20 a 23 de junho de 1962. A despeito de as quatro noites serem chuvosas e frias, o anfiteatro do Museu foi pequeno para receber o público que para lá acorreu. 

Tanto Lucchetti quanto Vaccarini se surpreenderam ao serem abordados por jovens interessados em saber mais sobre o Centro Experimental. Lucchetti teve de usar de toda a diplomacia para poder desvencilhar-se do grupo que pretendia fazer um estágio no Centro. Na verdade, o Centro Experimental de Cinema era outra balela criada por Lucchetti, dando uma falsa impressão de que havia em Ribeirão Preto um Centro Experimental de Cinema, quando sequer conseguiu interessar a comunidade em ver filmes de arte.

Em agosto de 1963, o Festival do Cinema Polonês, foi a mais importante retrospectiva feita mesmo até os nossos dias, sobre o cinema desse país. Ela fora organizado pela Cinemateca Brasileira que além de São Paulo, Ribeirão Preto foi a única cidade a recebê-lo e essa deferência deveu-se ao prestigio que o Clube de Cinema vinha adquirindo com suas extraordinárias realizações aliadas ao Centro Experimental. E todos esses esforços de Lucchetti imaginava-se ser o produto de um grupo e não o labor de uma única pessoa. Ainda fez parte do Festival do Cinema Polonês uma exposição de cartazes, fotos e o lançamento do livro ‘Cinema Polonês Hoje’, edição preparada pela Cinemateca Brasileira.

Mais ou menos por essa época, Ribeirão Preto foi uma das cidades agraciadas com a exposição didática, organizada pela Unesco, ‘Horizontes do Cinema’, relatando a história do cinema desde as primeiras experiências como o Fantascópio até as mais recentes conquistas tecnológicas e artísticas até aquela época, tudo apresentado em grandes pranchas.

Dois anos mais tarde, ou mais precisamente, de 5 a 13 de junho de 1965, sob os auspícios do Centro Experimental de Cinema, Charles Chaplin reaparecia em Ribeirão Preto no Chaplin-Show que se constituiu uma série de atividades que não puderam ser apresentadas na Semana Chapliniana, tais como, recital de declamação, espetáculos de dança, balé e mímica e paralelamente, foi exibida uma série de filmes curtos, estas verdadeiras raridades, muitos apenas fragmentos de suas fitas primitivas que Lucchetti conseguiu com os colecionadores particulares. Mais uma vez as rádios disponibilizaram seus horários com uma série de scripts focalizando aspectos da vida e da obra do grande cômico. Enfim, Chaplin-Show complementou a homenagem de Ribeirão Preto a Charles Chaplin, que Bernard Shaw disse ser “o único gênio do cinema”.

Logo no mês seguinte de haver concluída a homenagem a Chaplin; entre os dias 10 a 17 de julho chegou a vez de Lucchetti homenagear mais um de seus ídolos: Sherlock Holmes, o primeiro detetive consultivo da literatura policial, no Festival Sherlock Holmes. Foi esse, igualmente, outro acontecimento sem paralelo até mesmo nos dias atuais, desde que não se têm notícias de nada igual, nem mesmo na Inglaterra. Para ele, Lucchetti obteve a colaboração da Brtish Information Service, da Real Embaixada Britânica e da BBC de Londres. Além de filmes, foram apresentados scripts radiofônicos, projetados slides, encenada uma peça teatral, tendo como base as aventuras de Sherlock Holmes e, como de hábito, não faltou uma coleção de desenhos de detetive e de seu biógrafo, o dr. Watson, além de um retrato a craiom de Sir Arthur Conan Doyle, tudo obra de Lucchetti.

Mas o grande feito ainda estava por acontecer. Sua gênesis remonta a 1962 por ocasião da realização do Festival de Cinema de Animação. O interesse inusitado despertado num público jovem, animou Lucchetti a partir para o seu mais ambicioso projeto: o I Festival Internacional do Cinema de Animação.

Tão logo chegou a Ribeirão Preto, Lucchetti lançou-se de corpo e alma na sua elaboração que consumiu-lhe exatamente três anos. Em junho de 1965 estava com ele totalmente montado, faltando encontrar unicamente o local onde devia ser apresentado. Nesse particular contou com a inestimável colaboração de Sérgio Lima, secretário da Cinemateca Brasileira com quem Lucchetti havia feito, devido às suas constantes visitas à Cinemateca, uma boa amizade. Certo dia, Sérgio Lima veio com a novidade: “a Fundação Bienal de São Paulo está interessada em que o Festival seja incorporado à VIII Bienal de Arte que será realizada em agosto e setembro” daquele mesmo ano.

O I Festival Internacional do Cinema de Animação, teve a participação de 14 países e o patrocínio do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, da Assiciation Internacionale du Film d’Animation e da Embaixada da República Francesa no Brasil, sendo seu patrono o embaixador da França, Mr. Pierre Sebilleau, como uma justa homenagem, uma vez que o Cinema de Animação nasceu na França, como Émile Cohl.

Na ocasião, Lucchetti escreveu: “com a realização do I Festival Internacional do Cinema de Animação, paralelamente com a VIII Bienal de Arte de São Paulo, espera-se ter fincado o marco de uma longa jornada, a que muitos sucedam, não mais de caráter retrospectivo, e sim reunindo o que houver de mais significativo produzido nos últimos anos no mundo todo, tornando São Paulo o centro de Cinema de Animação da América Latina, e então estaremos compensados, na certeza de que o nosso empenho não foi inútil ao procurarmos homenagear os criadores de sonhos e beleza da única expressão estética que ainda não foi corrompida, e que já começa a ser conhecida com a oitava arte”.

Tudo quanto aqui dissemos, deve ser creditado a uma única pessoa: Rubens Francisco Lucchetti, que, além de idealizar e organizar todas as manifestações culturais a partir da cidade de Ribeirão Preto, onde residia, conseguiu o feito inusitado de projetá-la até mesmo no exterior.

Para cada uma dessa manifestações, redigia e editava boletins com cerca de 28 páginas, tudo feito com recursos próprios retirados de sua loja de auto-peças, uma vez que todos os investimentos do Clube de Cinama e Centro Experimental foram feitos sem nenhuma ajuda governamental, estadual e federal e de nenhuma entidade do setor privado. Tudo, tudo feito com recursos próprios e que levou sua loja a falência.

E foi com dinheiro emprestado de seus familiares, que, em janeiro de 1966 Lucchetti pegou a família – a mulher Tereza, o filho Marco Aurélio, de quatro anos – e partiu para São Paulo, onde aceitou o trabalho de uns parentes de sua mãe, e foi ser gerente de escritório de uma loja de ferragens, sem tender absolutamente nada de contabilidade.

Mas ainda amargava a frustração de não ter conseguido realizar alguns eventos que fervilhavam em sua mente obstinada. Faltavam uma homenagem a Alfred Hitchcock e a um outro gênero de arte que Lucchetti cultiva com o mesmo carinho que o Cinema de Animação: as Histórias em Quadrinhos. Estes demorariam um pouco mais, porém, devido à sua tenacidade conseguiu realizá-los. Mas esta é uma outra história, que contaremos noutra oportunidade.

*In Chaplin, Ensaio-Antologia, de Carlos Heitor Cony, organizado por Alex Viany. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1967, p.361.

** Uma seleção desses bicos-de-penas foi publicada em 1987 pela Editora Colégio, com o título ‘Carlitos, o Mito Através da Imagem’.

*** “Muito moço ainda, Rubens Francisco Lucchetti tem escrito para este jornal artigos que chamam a atenção geral e agradam bastante, não só devido ao fato de serem escritos corretamente, literalmente falando, como também, porque encerram assuntos importantes e raramente abordados”.

Luciano Lepera. ‘Diário da Manhã’, de 2 de fevereiro de 1949.

“Lucchetti representou, em ‘A Palavra’, com seus trabalhos sobre a arte cinematográfica, um especial momento de erudição. Em sua crônica semanal intitulada ‘Cinema’, com dimensão crítica e fins pedagógicos, inventou ‘os melhores filmes do mundo’ (27-03-61) (...)
Seu trabalho jornalístico não visava a publicidade de filmes do dia, mas ‘ensinar cinema aos leitores”. 

Divo Marino. Orquídeas para Lincoln Gordon. Depoimento sobre o golpe de 1964.
Ribeirão Preto, Editora Summa Ltda.,1998.

FILMOGRAFIA DO CENTRO EXPERIMENTAL DE CINEMA DE RIBEIRÃO PRETO

ABSTRAÇÕES:
(Estudos 1, 2, 3 e 4)

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Produção: Julho, 1960 -- 17 minutos

Painéis em cores e movimentos, desenhados diretamente sobre película 16mm. Em sua confecção foram utilizadas somente tinta nanquim, penas e pincéis comuns.

1º Prêmio Categoria Fantasia no VIII Concurso de Orientação de Cinema Amador do Foto Cine Clube Bandeirantes. São Paulo, abril de 1961.

COSMOS:

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Tony Miyasaka
Sonoplastia: Milton Rodrigues (som ótico)
Película: AgfaColor 16mm
Produção: Agosto, 1961 -- 5 minutos

Fantasia abstrata sobre a formação do cosmos.

TOURBILLON:

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Waldemar Fantini
Sonoplastia: Milton Rodrigues (som ótico)
Película: AgfaColor 16mm
Produção: Agosto, 1961 -- 3 minutos

Fantasia com movimentação de vidrilhos e fios de chinille, pelo processo “quadro-a-quadro”.

Selecionado na Vº Jounées Internacionale du Cinema d’Animation -- Annecy, 1963.

“Fotograma de Ouro” -- Prêmio Oficial do Conselho Nacional de Cine-Clubes, ao Melhor Filme de Categoria Experimental.

Prêmio “INCE” (Instituto Nacional do Cinema Educativo)

Prêmio “Fundação Cinemateca Brasileira”
Todos ganho no 1º Festival do Filme Brasileiro de Curta-Metragem -- Salvador, Bahia, fevereiro de 1965.

VÔO CÓSMICO

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Sonoplastia: Milton Rodrigues (som ótico)
Produção: Setembro, 1961 -- 3 minutos

Desenhado em cores diretamente sobre película 16mm. Em sua confecção foram utilizadas somente tinta nanquim, penas e pincéis comuns.
Em homenagem ao primeiro homem que atingiu o cosmos, Yuri Gagarin.

RINOCERONTES

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Efeitos Sonoros: Jean-Louis Barroult

Desenhado em cores diretamente sobre película 16mm. Em sua confecção foram utilizadas somente tinta nanquim, penas e pincéis comuns. O Filme foi feito para o 3º ato da peça ‘Os Rinocerontes’, de Ionesco, encenada por Cacilda Becker, 1961.

VIAGEM À LUA

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Waldemar Fantini
Sonoplastia: Milton Rodrigues (som ótico)
Película: Kodacolor 16mm
Produção: Novembro, 1961 -- 3.1/2 minutos

Curiosa montagem representando o panorama do astral, visto à bordo de um foguete e sua lunagem.

ESTUDO Nº 5

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Produção: 1960/61 -- 6 minutos.

Rapsódia em cores desenhada diretamente sobre película 16mm. Em sua confecção foram utilizadas somente tinta nanquim, penas e pincéis comuns.

CATEDRALLE

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Tony Miyasaka
Música: Johann Sebastian Bach
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Película: Agfa preto e branco 16mm
Produção: Abril, 1962 -- 3 minutos

Interpretação informal de uma composição dinâmica em claro-escuro de formas e movimentos que nos sugerem as catedrais seculares.

ARABESCOS

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Produção: Maio, 1962 -- 3 minutos

Formas geométricas e arebescos desenhados diretamente em cores sobre película 16mm. Em sua confecção foram utilizadas estilete, tinta nanquim, penas e pincéis comuns.

VARIAÇÕES SOBRE TEMAS DE MIRÓ

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Waldemar Fantini
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Película: AgfaColor 16mm
Produção: Agosto, 1962 -- 3 minutos.

Animação de motivos de Miro

PAINEL ABSTRATO

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Fotografia: Tony Miyasaka
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Película: AgfaColor 16mm
Produção: Setembro, 1962 -- 5 minutos

O nascimento de um quadro abstrato pelo processo de filmagem “quadro-a-quadro”.

FILMES INACABADOS

FANTASMAGORIAS

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Roteiro: Rubens Francisco Lucchetti
Desenho: José Guilherme Paiva
Fotografia: Tony Miyasaka
Música: “Uma Noite no Monte Calvo”, de Mussourgsky
Sonoplastia: Milton Rodrigues (gravação: fita magnética)
Película: AgfaColor 16mm

Animação de motivos fantásticos sobre uma pintura estática, em homenagem ao pai do Cinema de Animação: Émile Cohl. Os elementos fantásticos (aves exóticas e fantasmas) foram desenhadas a pastel após cada filmagem para dar sensação de movimento. Observação: Embora “Fantasmagorias” tenha sido uma das primeiras experiências de Vaccarini/Lucchetti ele nunca chegou a ser concluído.

A SOMBRA

Realização: Bassano Vaccarini / Rubens Francisco Lucchetti
Roteiro: Rubens Francisco Lucchetti baseado no conto homônimo de Edgar Allan Poe
Desenhos: José Guilherme Paiva
Narração: Paulo Bonetti
Fotografia: Waldemar Fantini
Sonoplastia: Milton Rodrigues
Película: Agfa preto e branco 16mm

Interpretação do conto através da dinamização de pinturas estáticas.

PLANIFICAÇÃO

Realização: Rubens Francisco Lucchetti

Estudo feito com retalhos do filme ‘O Proscrito’, de Howard Hugs para fins didáticos no qual tomamos conhecimento de todos os movimentos e planos da câmera.

(não montado porque faltou filmar as cartelas com as denominações dos planos)

FILMOGRAFIA DE FICÇÃO DE RUBENS FRANCISCO LUCCHETTI

1968 – TRILOGIA DO TERROR. (episódio PESADELO MACABRO) – roteiro não creditado. Direção: José Mojica Marins.

1968 – O ESTRANHO MUNDO DE ZÉ DO CAIXÃO. – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1969 – RITUAL DOS SÁDICOS. – roteiro. Direção: José Mojica Marins.
* Liberado pela censura somente em 1983 e rebatizado com o título ‘O DESPERTAR DA BESTA’ (prêmio “melhor roteiro” no IIº Rio-Cine Festival, 1986)

1971 – SEXO E SANGUE NA TRILHA DO TEOURO. – co-autor do argumento – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1971 – A MARCA DA FERRADURA. – roteiro. Direção: Nelson Teixeira Mendes.

1971 – FINIS HOMINIS (O FIM DO HOMEM). – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1971 – QUANDO OS DEUSES ADORMECEM. – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1972 – A HERDEIRA REBELDE. – argumento e roteiro. Direção: Nelson Teixeira Mendes.

1974 – EXORCISMO NEGRO. – co-autor do argumento – roteiro não creditado. Direção: José Mojica Marins.

1975 – A ESTRANHA HOSPEDARIA DOS PRAZERES. – roteiro. Direção: Marcelo Motta.

1976 – INFERNO CARNAL. – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1977 – MUNDO – MERCADO DO SEXO (MANCHETE DE JORNAL). – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1977 – DELÍRIOS DE UM ANORMAL. – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1981 – A PRAGA (inacabado). – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1982 – O SEGREDO DA MÚMIA. – roteiro (prêmio de “melhor roteiro” no Xº Festival de Gramado, 1982). Direção: Ivan Cardoso.

1984 – MEU HOMEM, MEU AMANTE. – argumento. Roteiro e Direção: Jean Garret.

1986 – AS 7 VAMPIRAS. – argumento e roteiro. Direção: Ivan Cardoso.

1990 – O ESCORPIÃO DE ESCARLATE. – argumento e roteiro. Direção: Ivan Cardoso.

1992 – A SEITA DOS ESPÍRITOS MALDITOS. – co-autor do argumento – roteiro. Direção: José Mojica Marins.

1993 – O GATO DE BOTAS EXTRATERRESTRE. – adaptação e roteiro. Direção: Wilson Rodrigues.

VÍDEOS VHS

1986 - CHAPEUZINHO VERMELHO. – adaptação e roteiro. Direção: Wilson Rodrigues.

1987 – JOÃOZINHO E MARIA. – adaptação e roteiro. Direção: Wilson Rodrigues.

SOBRE R.F.LUCCHETTI

O PAPA DA PULP: R.F.LUCCHETTI – FACES E DISFARCES.
São Paulo, Brasil, 1999-2002, 35mm, colorido/p&b, 15 minutos.
Realização cinematográfica, som e montagem: Carlos Adriano
Produção, pesquisa e roteiro: Bernardo Vorobow e Carlos Adriano
Consultoria musical: Carlos Reinchenbach
Patrocínio: Secretária de Estado de Cultura de São Paulo
Prêmio Estímulo de Curtas

DEPOIMENTOS

Este texto foi baseado em depoimentos do próprio Rubens extraídos de ‘O Cinema de R.F.Lucchetti’, livro encomendado pelo editor da Opera Graphica, Carlos Mann. Mas com a falência da editora o livro permanece inédito.

“Ribeirão Preto, um dos principais centros econômicos do Estado de São Paulo, não restringe sua atividade ao café. Cidade de mais de cem mil habitantes, conta com uma das melhores Faculdades de Medicina do país, duas escolas de belas artes, imprensa diária, emissora de televisão e várias instituições de relações culturais com países estrangeiros, Estados Unidos e Itália notadamente. Apesar disso, é, num meio de intenso labor, uma cidade onde não acontece muita coisa. Próspera e ativa, continua província. Não escapou ainda à denominação, que lhe pesa de ‘cidade do interior’. Contudo, eventos recentes sugerem que a cidade está em vésperas de passar a um estágio superior de desenvolvimento. E foi talvez graças a Charles Chaplin que Ribeirão Preto tomou conhecimento de sua própria evolução cultural”.
“Charles Chaplin em Ribeirão Preto”
Revista Visão, 15 de abril de 1960.

“Os organizadores da Semana Chapliniana calculam que sete mil pessoas participaram, de uma forma ou de outra, das manifestações. Isso significa sete por cento da população. É provavelmente impossível encontrar proporções semelhantes em empreendimentos artísticos e culturais do mesmo gênero em qualquer outra cidade do mundo”.
“Carlito em Ribeirão”
Paulo Emílio Sales Gomes
in Suplemento Literário de O Estado de S.Paulo
11 de junho de 1960, p.5.

Reproduzido em Crítica de Cinema no Suplemento Literário
Volume II/Paulo Emílio – Rio de Janeiro:
Paz e Terra/Embrafilme, 1981, pp.215/219.

“Foi Paulo Emílio Sales Gomes, conservador-chefe da Cinemateca Brasileira, quem primeiro me relatou o êxito alcançado pela Semana Chapliniana em Ribeirão Preto, ele que lhe coube o encargo de pronunciar uma conferência sobre o grande criador de ‘Tempos Modernos’, ao encerrar a Semana (...) Ouvi dizer que haverá este ano um ‘Saci’ para o clube de cinema que mais se distinguiu durante as atividades verificadas neste setor, durante o ano de 1959. gesto comovente este que poderá significar a equipe que distribui aquele laurel, já tradicional em nosso meio cultural e artístico. Oxalá tal resolução se transforme numa tradição. Em tal caso, creio que para 1960, o Cineclube de Ribeirão Preto será forte candidato à estatueta de Brecheret. Com a ocorrência da sua Semana Chapliniana, a associação cultural da capital do café se colocou em primeiro plano para a conquista do ‘Saci’ de 1960. e não há dúvida de que essa instituição viva e operosa, merece amplamente essa recompensa, proporcionada pelo veterano órgão da imprensa paulista”.
“Chaplin em Ribeirão Preto”
B.J.Duarte
in Folha Ilustrada – Folha de S.Paulo
1º de maio de 1960

Nenhum comentário: