sexta-feira, 30 de maio de 2014

R.F.Lucchetti: Memória Cinematográfica. FIM


Em 2012 R.F.Lucchetti comemorou 82 anos de idade e 70 anos de publicação do seu primeiro conto, o que aconteceu num jornalzinho de bairro no dia 31 de outubro de 1942. Foi a partir desta efeméride que o blog Os Curtos Filmes iniciou a publicação da série em sua homenagem.

São anos de pesquisa a respeito da trajetória de Rubens Francisco Lucchetti.

Publicamos entrevistas, depoimentos, textos, artigos, fotos e contos.

A série termina hoje. Mas o trabalho continua. Em breve todos terão a oportunidade de ter acesso a um projeto que estou produzindo a respeito de R.F.Lucchetti e que extrapola o limite da internet.

Logo a novidade será contada.

Muito agradecido a todos que acompanharam mais uma série especial de Os Curtos Filmes.

Em julho iniciarei o último capítulo de ‘5 Estrelas da Boca’ com a publicação de fotos e histórias da atriz Noelle Pine.

Rafael Spaca.

R.F.Lucchetti: Memória Cinematográfica


Com o amigo e cineasta Sibélius.






A biblioteca de R.F.Luccheti.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Fernanda Viacava

 
Atriz. Em cinema, atuou nos longas 'Caju com Pizza', direção de Francisco Ramalho; 'Uma Noite em Sampa', direção de Ugo Giorgetti; 'Do Lado de Fora', direção de Alexandre Carvalho; ' Amador', direção de Cristiano Burlan; 'Salve Geral', direção Sergio Rezende; 'O Menino da Porteira', direção de Jeremias Moreira; 'Quanto Dura o Amor?', direção de Roberto Moreira; 'Domésticas – O Filme', direção de Fernando Meirelles e nos curtas: 'O Espelho', direção de Gustavo Raolino; 'O Homem do Saco', direção de Bruno Primor; 'Calíope', direção de Helena Guerra; 'O Controle do Zumbi', direção de Gabriel Marzzinoto; ' De Resto', direção de Daniel Chaia, entre outros.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
O roteiro, o diretor e as pessoas envolvidas.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público? 
Sessões específicas, com exibição de vários curtas como aquelas que tinham no Unibanco, o ‘Curta às Seis’.  Só que em várias salas de cinema.
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Sim, mas acho que como tudo que fazemos, temos sempre vontade de crescer, assim acho que os cineastas que começam fazendo seus curtas, depois de algumas experiências,  tem vontade  de contar uma história mais longa.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Acho que não.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Não. Prefiro atuar.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

R.F.Lucchetti: Memória Cinematográfica








O escritório de Rubens Francisco Lucchetti.


terça-feira, 27 de maio de 2014

Mariana Boccara

 
Atriz. Acumula vários trabalhos no teatro, dentro e fora do país. Na televisão, destaca-se a atuação na segunda temporada da série ‘Morando Sozinho’, do Canal Multishow. Atualmente pode ser vista no seriado Psi, da HBO. Participou do filme 'A Estrada do Diabo', previsto para ser lançado no próximo ano.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Como atriz brasileira não posso deixar de comentar o fato de que no Brasil são muito restritas as oportunidades para o campo cinematográfico especialmente para quem esta no início da carreira. Desta forma, participar de curtas é uma grande oportunidade. Sendo muito importante também que o ator se encante pelo roteiro, vendo nele uma oportunidade de expressar ideias que acredita.
 
Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Foram experiências interessantes em que pude vivenciar um pouco do mundo do cinema, o qual me encanta muito. É muito gratificante poder interpretar diferentes personagens e histórias e dentro deles poder levar um pouquinho da gente e com isso poder atingir diferentes pessoas. Além de atriz também sou graduada em audiovisual pela FAAP, o que me permitiu desenvolver muito projetos não apenas atuando, mas também vivenciando as outras facetas de uma produção cinematográfica como direção, produção, direção de arte entre outros.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acredito que essa é uma questão cultural especialmente no Brasil, que só será mudada a medida que se produza cada vez mais curtas metragens e se criem mais espaços para a sua divulgação e com isso chamem mais atenção da mídia.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Uma forma de atingir um público maior e criar um hábito seria diminuir os trailers e a publicidade antes dos filmes para exibição de pelo menos um curta metragem. Os curtas também poderiam ser exibidos nas Universidades em cursos de diversas áreas do conhecimento, não só nas faculdades de comunicação social. E porque não ocasionalmente a TV brasileira abrir um espaço para a exibição dos curtas? Acredito que seria uma forma de mudar a concepção do público em geral sobre os curtas-metragens.
 
O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Com certeza, é uma oportunidade excelente para o aprendizado, na qual é possível colocar em prática o conhecimento adquirido na área, mas especialmente é uma possibilidade de se expressar ideias, sonhos, conceitos, e valores, assim contribuindo para que o outro, espectador, possa compartilhar desse universo.
 
O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Pode ser, mas isso não é uma regra. Com certeza caracteriza-se numa boa oportunidade para mostrar o trabalho dos profissionais envolvidos e isso pode levar a conquista de novos espaços.
 
Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
A escolha do tema do filme é extremamente importante, depois a seleção dos profissionais envolvidos, o cuidado na sua produção e finalmente o empenho para sua divulgação. O envio do filme para a participação de diversos festivais nacionais e internacionais é extremamente interessante, pois possibilita além da ampla divulgação uma oportunidade de ser visto por grandes profissionais da área cinematográfica.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Tenho interesse, tenho vários projetos na gaveta, mas tenho um em especial que estou no momento desenvolvendo o roteiro.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

R.F.Lucchetti: Memória Cinematográfica




O DEPOIMENTO DA SENHORA MARONE
R. F. Lucchetti

“Que esplêndido seria fazer o mal e não ouvir falar mais nisso!”
The Witch of Edmonton

Quando a sra. Marone leu essa citação no romance O Condenado, de Graham Greene, achou-a formidável.

DELEGADO – Minha senhora! A função de um delegado é fazer o relatório policial sobre os acontecimentos. Tratando-se da morte de seu marido, tenho de lhe fazer perguntas. Seu nome?

MARONE – Sou a sra. Harry Marone!

D. – Sra. Marone, sabe a razão de sermos forçados a fazer-lhe algumas perguntas, concernentes à morte de seu marido?

M. – Sim. Porque, antes do pobre Harry morrer, houve um pequeno problema em nossa casa; e o senhor quer saber que problema foi esse. Mas posso explicar tudo.

D. – A senhora estava presente, quando seu marido morreu?

M. – Vi aquilo acontecer. Harry morreu porque tinha estômago fraco. Eu telefonei à polícia imediatamente.

D. – E a senhora sabe o que causou a morte de seu marido?

M. – Eu poderia chamar a isso de um ato de Deus.

D. – Por favor, explique o que quer dizer por “um ato de Deus”.

M. – Quero dizer que é algo que eu vinha pedindo a Deus... Não, não quero dizer isso. Quero dizer que é uma coisa que somente aconteceu. Um acidente.

D. – Quando abri, por ordem judicial, a caixa dos depósitos de seu marido no banco, encontrei um testamento e uma carta endereçada à polícia. No testamento, seu marido determina que, se morresse de forma violenta, todos os seus bens devem ir para certas instituições de caridade. A carta tem a caligrafia de seu marido e avisa a polícia de que a senhora seria, provavelmente, responsável, caso ele sofresse um acidente fatal. Pode explicar isso?

M. – Oh, sim. Posso explicar tudo. Eu queria que Harry fizesse um seguro de acidentes. Então, ele fez seu testamento e escreveu aquela carta para a polícia. Disse-me que aquele era o melhor seguro que poderia fazer.

D. – Sra. Marone, a polícia chegou, três minutos após seu telefonema. E achou o aposento em grande desordem. Alguém tinha usado uma barra de trinta e seis polegadas para despedaçar um grande guarda-roupa de madeira. A porta trancada foi arrancada, e a madeira despedaçada por pancadas violentas. O cadáver de seu marido estava deitado no chão. Em sua cabeça tinha um ferimento causado por algum instrumento sem corte. A senhora bateu no seu marido com aquela barra?

M. – Oh, não! Era muito pesada para eu levantá-la. Além disso, se desejasse matá-lo, poderia ter usado minha pistola. Harry fazia-me guardar um revólver na casa.

D. – Onde está essa arma agora?

M. – Em minha frasqueira. Aqui está. Não tenha medo. Não está carregada.

D. – Tem permissão para andar com este Colt calibre 32?

M. – Aqui está a licença. Harry queria-a em meu nome.

D. – Alguém já atirou com essa arma?

M. – Harry usou-a para atirar em Joe.

D. – Quem é Joe, sra. Marone?

M. – Meu irmão. Alguns meses atrás, Harry atirou nele. E, hoje, Harry quebrou o guarda-roupa para pegar o corpo de Joe. Disse que iria atirá-lo no rio. Mas, além de meu irmão, ele esperava encontrar lá um outro cadáver.

D. – De quem era esse outro corpo que seu marido esperava encontrar?

M. – Alguém que estava fazendo chantagem com Harry.

D. – Por que estava seu marido sendo chantageado?

M. – Alguém afirmou que sabia de tudo sobre o tiro que ele havia dado em meu irmão.

D. – Por que seu marido baleou seu irmão?

M. – Meu irmão foi para a cadeia como dublê de Harry. Harry prometeu pagar-lhe cinqüenta dólares por semana durante todo o tempo que ficasse na prisão. Mas não pagou. Depois, ficou com medo de que meu irmão lhe arranjasse alguma embrulhada. Foi por isso que me deu a arma. Entretanto, quando baleou Joe, não sabia absolutamente quem era.

D. – Esta é uma série de terríveis acontecimentos, sra. Marone. Estou com receio de que a senhora tenha de começar de novo. Quando iniciou toda a encrenca?

M. – Principiou logo que eu e Harry nos casamos. Harry desposou-me para que eu não pudesse ser forçada a testemunhar contra ele.

D. – Testemunhar contra ele?

M. – Sim, por ter contratado meu irmão para ir para a cadeia no lugar dele.

D. – Qual o motivo da prisão?

M. – Harry estava no Canadá, manejando uma série de telefones... um “quarto fervente”, como ele chamava aquilo. Queria vender minas de ouro para investidores dos Estados Unidos. Não pode ser preso no Canadá. Mas, quando desceu a Nova York para receber algum dinheiro, os investigadores do Correio dos Estados Unidos vieram atrás dele. Foi nessa ocasião que Harry contratou meu irmão para representá-lo. Joe cumpriu dois anos em Atlanta. Então, Harry disse que não aceitava pagar a Joe todo aquele dinheiro e continuar dando-me os pequenos luxos que eu gostava. Harry sempre me dizia coisas doces como essa. Ele era muito romântico. Foi quando matou Brucie.

D. – Quem era Brucie, sra. Marone?

M. – Brucie era meu querido e lindo cão de caça marrom e branco. Eu amava Brucie. Ele tinha pêlos marrons e brancos, olhos castanhos e orelhas longas e sedosas... Brucie dormia ao lado de minha cama todas as noites. Mas, uma noite, Harry pisou em Brucie. E Brucie saltou tão subitamente que Harry levou um tremendo tombo. Depois disso, Harry fez Brucie dormir no porão. Duas semanas depois, ao levantar-me da cama, pus os pés exatamente sobre o pêlo macio, branco e marrom de Brucie. Senti terrivelmente aquilo. Harry tinha mandado tirar a pele de Brucie e mandado fazer um tapete para mim. Explicou que desejava que eu tivesse alguma coisa para me recordar de Brucie.

D. – Bem, voltemos à ocasião em que seu marido atirou em Joe. Pode nos dar os detalhes, sra. Marone?

M. – Isso foi exatamente depois de meu irmão Joe sair da prisão. Joe veio perguntar-me se eu podia persuadir Harry a pagar-lhe o dinheiro que tinha prometido. Harry não estava em casa. Era noite, Joe e eu estávamos sentados no quarto, com as luzes apagadas. Os mosquitos estavam terríveis. Disse a Joe que poderia haver algum barulho, se Harry o visse. Harry subiu silenciosamente as escadas e viu alguém sentado no peitoril da janela, com o braço em meu redor. Era somente meu irmão Joe, mas Harry não sabia disso. Pegou meu revólver e atirou em Joe. Bem de perto. Joe caiu do peitoril da janela ao chão e ficou imóvel. Gritei para Harry: “Chame um médico. Faça alguma coisa! Veja se ele ainda está vivo!” Mas Harry nem chegou perto dele.

D. – Por que seu marido não se aproximou?

M. – Por causa de seu estômago terrivelmente fraco. Harry não podia tocar em qualquer espécie de corpo morto... Isso o deixava terrivelmente doente. Num barco de pesca, precisava ter alguém para espetar as iscas para ele.

D. – Sra. Marone! Por que não informou esse assassinato à polícia?

M. – Oh, eu não podia. Eu amava muito meu marido.

D. – Que aconteceu ao cadáver de seu irmão?

M. – Harry estava muito zangado comigo, porque pensava que eu o estava traindo. Aí, falou para mim: “Vou para Atlantic City por uma semana. Você pode livrar-se desse corpo da maneira que mais lhe agrade. Nem quero saber quem era o homem, porque tenho muita consideração por seus sentimentos.” Eu disse: “Sim, Harry, mas necessitarei de muito dinheiro para tomar conta desse cadáver.” E ele deu-me bastante dinheiro, e eu arranjei tudo otimamente.

D. – Como a senhora arranjou tudo?

M. – Quando Harry voltou de Atlantic City, mostrei-lhe um grande e pesado guarda-roupa novo que um carpinteiro tinha construído por minha ordem. Disse-lhe que havia pago a um agente funerário para preparar o corpo de Joe e nada dizer a esse respeito. Agora Joe estava embalsamado e trancado dentro do guarda-roupa e nunca mais aborreceria ninguém. Então, Harry disse que estava ótimo. Mudou minha cama para o mesmo quarto e mandou-me dormir lá. Não me importei, porque sabia que tudo estava certo. Mas contei a Harry que o homem era Joe. Aí, ele falou-me que sentia muito.

D. – A senhora disse que, quando seu marido quebrou o guarda-roupa, esperava encontrar um segundo cadáver ali...

M. – Oh, sim. Explicarei isso. Foi duas semanas depois que o guarda-roupa foi feito e fechado. Harry recebeu um telefonema anônimo. O homem que telefonou disse saber de tudo sobre o cadáver embalsamado e fechado dentro do guarda-roupa. Sabia o nome do agente funerário que fizera o serviço e o calibre da pistola usada no assassinato. E isso iria custar a Harry cem dólares semanais. O homem deveria ir em casa às oito horas, naquela mesma noite, para acertar o pagamento da primeira semana.

D. – Foi então que seu marido baleou o chantagista?

M. – Não. Harry tinha muito dinheiro. Queria tempo para pensar. O homem foi, conforme o combinado. Fez o mesmo, durante mais algumas semanas. Em cada ocasião, Harry dava-lhe cem dólares. O homem usava um lenço no rosto para que Harry não pudesse identificá-lo, se o visse à luz do dia.

D. – Quando foi que seu marido atirou no chantagista?

M. – Harry pagou-lhe cem dólares semanais durante dez semanas. Então, disse-me: “Aquele rato arrancou mil dólares de mim. Isso é o bastante.” E, quando o homem veio novamente, Harry pegou minha arma e atirou nele. Exatamente como tinha feito com meu irmão Joe.

D. – E a senhora pôs esse corpo no guarda-roupa também?

M. – Harry deu-me mais algum dinheiro e disse: “Estou de saída para Atlantic City de novo. Arranje este... exatamente como fez com o outro. Mas deve conseguir um desconto com o agente funerário, já que ele está pegando todos os nossos serviços.” Harry ficou fora durante uma semana. Quando voltou, tudo estava resolvido perfeitamente. Isso foi anteontem.

D. – Por que seu marido quebrou o guarda-roupa, hoje, sra. Marone?

M. – Porque perdeu o controle dos nervos. Recebeu outro telefonema anônimo esta manhã. O homem que chamou disse que, uma vez que havia dois corpos agora no guarda-roupa, a “coisa” valia duas vezes mais. Passaria em casa à noite para receber duzentos dólares. Então, desligou. Harry estava tão irritado que correu ao porão e pegou aquela barra perigosa. Disse-me: “Vou me livrar desses dois cadáveres infernais, ainda que tenha de carregar um de cada vez no ombro até a baía...” Então, começou a quebrar o guarda-roupa com a barra. Eu tinha dito que o guarda-roupa estava trancado e que tinha perdido a chave. De repente, a barra deslizou e fez-lhe aquele ferimento na cabeça. Mas aquilo somente o tornou mais irado do que nunca. Finalmente, a porta cedeu. Quando Harry olhou dentro do guarda-roupa não pôde falar nem produzir som algum. Sua boca abriu-se, como se ele não tivesse bastante ar. Os olhos ficaram iguais aos de uma rã. O rosto ficou vermelho, depois púrpuro e quase negro. Tudo de uma vez. E ele caiu no soalho. Foi quando chamei a polícia.

D. – E que foi que seu marido viu no guarda-roupa, sra. Marone?

M. – Ora, não havia nada dentro. A não ser uma confortável poltrona, um escabelo, um abajur, uma mesinha, uma caixa com os melhores charutos, uma garrafa de conhaque, alguns números do Alfred Hitchock’s Mystery Magazine... e um ventilador.

D. – Que aconteceu com os dois cadáveres, sra. Marone?

M. – Oh, lá não havia nenhum corpo, porque Harry realmente não matou ninguém. Ele pensava tê-lo feito. Sempre conservo minha pistola carregada com cápsulas de pólvora seca. Eu tenho medo de armas de fogo. E o pobre Harry tinha um estômago tão fraco, que não poderia nem sequer tocar um corpo para ver se estava realmente morto.

D. – Eu deduzo que seu irmão Joe se fez passar por ambas as supostas vítimas assassinadas... E, depois, fez chantagem com seu marido. Estou certo?

M. – Aquilo foi somente uma brincadeira... como aquela de Harry dando-me um tapete feito da pele de Brucie. E Joe não era um chantagista. Estava somente recebendo o dinheiro que Harry tinha prometido lhe pagar. Joe costumava visitar-me às terças e sextas. Se Harry chegasse inesperadamente, poderia retirar-se para o guarda-roupa e ler histórias policiais... até Harry sair.

D. – Onde está seu irmão, agora, sra. Marone?

M. – Vou lhe dizer onde ele está. Mas o senhor não pode prendê-lo. Não pode puni-lo por tomar o lugar de Harry na prisão! Isso porque Harry está morto; e o caso, encerrado. Nesse momento, Joe está numa marmoraria, encomendando uma lápide adequada para o túmulo de Harry. Dentro de poucas semanas, Joe e eu nos casaremos.

D. – Mas a senhora disse que Joe é seu irmão! Ele é seu irmão, sra. Marone?

M. – Bem, quero dizer, Joe sempre foi como um irmão para mim. Sempre planejamos nos casar algum dia. Joe dizia que nenhum homem, com a pressão sanguínea como a de Harry, podia viver muito tempo. Estamos arranjando uma ótima pedra para a sepultura de Harry. Dois anjos no topo, com as asas duplamente cruzadas, e esculpido embaixo um epitáfio: “Ele foi receber sua recompensa.”

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Priscilla Herrerias

 
Priscilla Herrerias é atriz. Seus últimos trabalhos incluem a peça "Réquiem", texto de Hanoch Levin, com direção de Francisco Medeiros e "A florista do outro lado da praça", curta-metragem de Guga Caldas.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Um roteiro interessante, uma equipe bacana e disposta.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Essa é uma boa pergunta… Acho que a mídia em geral está mais interessada em dar estrelas aos blockbusters e obras de cineastas mais consagrados. E talvez porque infelizmente não haja sessões regulares de curtas.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Acho que seria muito bacana a exibição de curtas antes de longas, por exemplo. Acho que o grande público não tem nem ideia do quanto se produz e nem da qualidade dos trabalhos. E também uma programação regular de sessões de curtas. E a internet, claro!
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Eu acredito que sim. Penso que são formatos diferentes, cada um com suas dificuldades e desafios próprios. Me lembrei de A. Tchékhov, grande escritor russo, que revolucionou o teatro e o conto a partir de fins do século XIX. Apesar de reconhecido em sua época, foi muitas vezes tomado como um escritor “menor”, de “ fôlego curto”, quando comparado aos grandes romancistas do período. Para ele a brevidade era irmã do talento e ele nunca escreveu um romance…
 
É claro que muitos cineastas começaram com curtas e depois rumaram para longas, não acho que isso seja um problema. Mas acho que não dá pra menosprezar nenhum formato…
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Eu acho que não, as pessoas sabem da diferença dos formatos…
 
Claro que as condições de produção e orçamento são bem diferentes e isso de alguma maneira pode indicar uma certa "hierarquia". Mas acho que felizmente a gente tem visto cada vez mais bons trabalhos com baixos orçamentos - e isso em relação a curtas e longas.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Sim!

quinta-feira, 22 de maio de 2014

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Rafael Spaca na Revista Cásper Líbero


O artigo que escrevi para Revista da Cásper Líbero pode ser lido neste link: http://issuu.com/revistacasper/docs/c__sper__12_web

O tema? Sexo explicito na Boca do Lixo.

Carol Mariottini

 
Atriz. Atuou no filme ‘Só Deus Sabe’. Atualmente está em cartaz com o espetáculo ‘A Besta’ no Teatro Gazeta, em São Paulo.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Um bom roteiro é o primeiro passo.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Talvez pelo pouco interesse do público em geral.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Difícil responder a esta, mas se começarmos levando grupos escolares para assistir a temas educativos, sei lá, é uma ideia!!
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Possível é sim, mas acredito que a grande maioria dos cineastas gostariam fazer um longa...
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não sei se posso afirmar isto, mas acredito que sim.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Não. Pretendo sim dirigir teatro,  não tenho preparo para dirigir cinema. Pelo menos por enquanto!

terça-feira, 20 de maio de 2014

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Zootropo na TV Cronópios

 
PROGRAMA ZOOTROPO RECEBE A ATRIZ ANGELA DIP
 
 
O segundo programa da 2ª temporada do Zootropo estreia agora com uma deliciosa entrevista. Rafael Spaca conversa com a bailarina, atriz de televisã...o e cinema e comediante Angela Dip. A nossa convidada é pioneira feminina no Brasil em um território amplamente dominado pelos homens: a `comédia standup`. Angela Dip atua também em dramas e produções para o público infanto-juvenil.
 
É uma atriz completa. E muito divertida. Assista agora mesmo!!
 
 

domingo, 18 de maio de 2014

Os Curtos Filmes na TV São Judas

 
Programa Espaço Comunicação.
 
Carla Sales entrevista Rafael Spaca, 19h30 no CNU!
 
Transmissão da TV São Judas pelo CNU - SP: Canal 11 NET Digital e Analógico, Canal 71 VIVO Analógico e canal 187 VIVO Digital ao vivo pelo site http://www.cnu.org.br/

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Gabriel Mascaro

 
Cineasta. Dirigiu os filmes ‘Um Lugar ao Sol’; ‘Avenida Brasília Formosa’ e ‘Doméstica’.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Geralmente é o inverso. São minhas ideias que vão surgindo, aí penso o tamanho da história, e depois é que eu tento verba ou juntar amigos que acreditam no projeto para realizar o filme. Não passa muito pela lógica aceitar ou não, porque é um movimento de dentro para fora, e não o inverso.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Tem espaço em revistas muito legais que costumo ler como ‘Contracampo’, ‘Revista Cinética’, ‘Filmes Polvo’. Eles não fazem distinção. Pensam audiovisual de outra forma.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Ocupar outras janelas, como TVs, Internet, Ipod, Ipad, celular.  
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Fiz três longas e agora resolvi fazer um curta. Para mim a trajetória foi inversa. Para mim não funciona assim. A duração é apenas uma questão do tempo que a ideia precisa para ser materializada. 
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
É marginalizado para aqueles que pensam o curta-metragem a partir da lógica que você menciona a cima, a do 'trampolim para o longa'. Como procuro me afastar dessas pessoas que pensam nessa lógica, meu grupo de amigos realizadores não pensam assim.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Penso em continuar tendo inquietações, que rendam filmes ou não. Se render um filme, que seja em qualquer duração.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Os Curtos Filmes no CurtaDoc

 
CurtaDoc: Trilhos da Vida 
 
Variadas experiências relacionadas ao transporte sobre trilhos na América Latina, mudanças sociais e memória são temas do episódio inédito Trilhos da Vida , que o SescTV leva ao ar no dia 13 de maio, às 21h, com a direção geral de Kátia Klock. O produtor cultural Rafael Spaca comenta os curtas que serão exibidos no SescTV: Bar da Estação (direção de Leo Ayres); Deseos sobre rieles (direção de Adriana Sosa e Gustavo Vergara) e Filhos do Trem (direção de Fernando Benichio, Marcelo Fernando Domingues, Reinaldo Silva e Leonardo Rodrigues).
 
As múltiplas experiências de vida relacionadas ao transporte sobre trilhos na América Latina, mudanças sociais e memória configuram a matéria-prima comum a todos os curtas-documentários que são apresentados no episódio inédito Trilhos da Vida .
 
O produtor cultural e diretor do Blog Os curtos Filmes Rafael Spaca abre o programa, comentando sobre a ausência de memória no Brasil a respeito do impacto do uso do trem como meio de transporte e de circulação de carga. Para Spaca, o trem se apresenta como um meio de transporte marginalizado no Brasil. Esses documentários reunidos no programa “nos permitem refletir sobre a importância que os trens tiveram no Brasil” – argumenta Spaca.
 
Um ponto a ser considerado nos documentários retratados no programa é o fato de que cada um dos curtas-metragens aborda, de diversas formas, o longo processo de desestruturação e abandono que a rede ferroviária de países como o Brasil e Argentina têm sofrido atualmente.
 
O primeiro filme a ser exibido é Bar da Estação (2009), de Leo Ayres, que retrata o cotidiano monótono de um dono de bar próximo à estação de Ribeirão Vermelho, em Minas Gerais, desativada em 1996. O documentário retrata a monotonia do ambiente, fruto da desativação dos trens do entorno.
 
Spaca comenta sobre a sensação de nostalgia do proprietário e frequentadores do bar, reforçada pela fotografia em preto e branco e cenas contemplativas.
 
O segundo documentário apresentado é o curta-metragem argentino Deseos sobre rieles (2010), de Adriana Sosa e Gustavo Vergara, produção que traz depoimentos de especialistas e imagens de arquivo sobre o processo de desestruturação das ferrovias na Argentina, principalmente nos povoados rurais.
 
O antropólogo argentino Lindon Colombo comenta que a data de “10 de março de 1993 é considerada uma data crucial no fechamento da maioria das linhas de trem na Argentina”. Todos os depoimentos reforçam a ideia de pauperização dos povoados que viviam ao redor das estações.
 
Colombo comenta que cerca de trezentos povoados na Província de Buenos Aires estão em vias de extinção. O documentário retrata a tentativa de reativar o transporte ferroviário, realizada pela população local. O antropólogo reforça a ideia de que é necessário o transporte adquirir força econômica para reavivar o potencial das comunidades rurais.
 
O terceiro filme é Filhos do Trem (2005), de Fernando Benichio, Marcelo Fernando Domingues, Reinaldo Silva e Leonardo Rodrigues, de São Paulo. Resultado das Oficinas Kinoforum, o documentário reflete sobre o cotidiano do comércio ambulante dos trens de subúrbio, na região de Perus, área metropolitana de São Paulo. O filme denuncia o cotidiano da exploração do trabalho infantil realizado nos trens suburbanos. Para Spaca, o filme cumpre com sua intenção de denunciar a exploração do trabalho realizado por crianças nas periferias brasileiras.
 
Reflexões proporcionadas pelos diferentes pontos de vista e diversidade da produção latino-americana podem ser conferidas na Série CurtaDoc que o SescTV leva ao ar. Assista o programa e acesse o site: curtadoc.tv
 
CurtaDoc
Trilhos da Vida
Dia 13/05, às 21h
Reapresentações: Dias 15/05, às 9h; 17/5, às 18h; 18/05, às 2h e às 23h e 19/05 às 7h.
Classificação Indicativa: Livre