sábado, 28 de setembro de 2013

Cavi Borges

Cineasta, produtor e fundador da locadora Cavídeo. Já dirigiu cerca de 20 curtas-metragens e produziu outros 30. Ex-atleta profissional de judô, em 1977 abriu uma locadora de vídeos com a intenção de alugar filmes sobre artes marciais. O negócio se diversificou e a locadora se tornou referência no Rio de Janeiro pelo seu acervo de filmes cults e raros, com títulos de Bergman e Truffaut, entre outros. Além da locação de filmes, a Cavídeo passou a organizar eventos como mostras, encontros, lançamentos de DVDs e livros, festas e, em 2009, passou a atuar também como produtora de filmes.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
A história do filme e a possibilidade de experimentar uma coisa nova. 
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
As pessoas acham que curta é para principiante. Quem está começando a fazer cinema. Não percebem que na verdade é um formato específico, próprio. Conheço cineastas veteranos que querem fazer curta. Pessoas que são grandes realizadores e acreditam no formato do curta. Além disso tudo, o curta não é um formato comercial. Não existe no Brasil uma indústria para o curta. Mais um ponto negativo que contribui o menosprezo da crítica e da mídia para o curta. 
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Os curtas deveriam passar mais nas TVs. Isso tornaria o formato mais conhecido pelo grande público e aumentaria o interesse de todos (publico, empresas, programas e jornalistas).
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Sim. Conheço vários. Mas tem o lance de grana. Precisam fazer outras coisas para se sustentar. Mas a grande maioria pensa nessa história de trampolim.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Só por alguns. Na verdade o curta é uma boa chance de se arriscar e de experimentar. Quem gosta disso, naturalmente gosta de fazer curta. Tem também o fato de ser mais barato fazer. Então para alguns, quando tem grana preferem fazer longas.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Já dirigi 20 e produzi outros 35. Esse ano já fiz 2 curtas e espero todo ano fazer outros. Mesmo que também faça longas.

Nenhum comentário: