segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Felipe Kannenberg



Felipe Kannenberg atuou em filmes como ‘A Mulher Invisível’, ‘Olga’, entre outros. Dirigiu o curta ‘9 minutos’.

Qual é a importância histórica que o curta-metragem tem no cinema brasileiro?
Vejo o curta-metragem de suma importância em nosso cinema. Obviamente por poder ser um preparo para o longa-metragem. Mas, principalmente, pela possibilidade de se contar muito em pouco tempo. E pela quantidade numérica de obras e a diversidade que isso traz. O experimentalismo é amigo do curta.

Por que os curtas não tem espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Bem, acredito que a pouca procura em geral por curtas tem muito a ver com isso. Afinal, poucas são as possibilidades de se ver curtas em nossa cultura ‘popular’. Os horários na televisão são tardios e em canais pouco vistos pelo grande publico. Nos cinemas, festivais e poucas iniciativas de horários únicos. Mas, os curtas não tem espaço na mídia porque não tem grande espaço de veiculação, ou não tem espaços de exibição porque não tem espaço na mídia... Difícil dizer. Ainda assim, quando dentro de eventos cinematográficos, os curtas acabam por ter atenção de critica em comentários na imprensa.

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Acredito que sim. Que tudo se deve a uma questão de escolha. Claro, os curtas por vezes são o aprendizado pratico para o longa. Depende do que se quer. Ainda que restrito, o curta tem seu espaço, principalmente em festivais.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Uma boa opção seria a exibição de ao menos um curta antes de um longa. Se podemos ver 15 minutos de propagandas e trailers, claro que um curta cai bem.

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não creio, ate porque quase todo cineasta passou pelos curta-metragens. Eles são a janela, um belo cartão de visitas de todo cineasta.

O que te faz aceitar um convite para atuar em curtas?
O mesmo que para um longa: uma boa historia, principalmente um roteiro bem desenvolvido, as vezes as pessoas envolvidas.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Já dirigi um. Um boa e difícil experiência. Infelizmente, não pude levá-lo a publico por questões de produção. Mas, sim, quero e vou dirigir outros. O primeiro já tem roteiro pronto e esta em fase de pré-produção. Espero poder viabilizá-lo ainda este ano.

Nenhum comentário: