quarta-feira, 3 de julho de 2013

Nelson Baskerville

Ator, autor, diretor e educador de teatro. Um dos nomes mais importantes do teatro brasileiro.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
A ideia e o pensamento. Costumo ler muitos roteiros pobres de idéias e sem nenhuma tentativa de inovação na linguagem. é importante que os novos cineastas tenham uma identidade cultural com alguma coisa, com algum cinema, de algum país, autor ou  pensamento... não basta fazer a faculdade e aprender como filmar as coisas, acho mais importante aprender que coisas filmar. 
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Querido, espaço em jornal é guerra de superpotência o que indica a pobreza também desse meio. Porque, principalmente em cinema, o dinheiro investido é muito grande e o lobby maior ainda. é uma conjunção de fatores e são necessárias pequenas ações discordantes. Falo em provocação, boicote.  
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Não sendo obrigado como na época da ditadura faziam com Primo Carbonari. Seria necessária a criação de mais festivais e espaço, mas isso não se consegue individualmente. É preciso empenhar o poder público, se organizar e lutar.  
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Na minha modesta opinião, não. Se você tem histórias pra contar, vai querer um formato maior para viabiliza-la.  
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não acredito. Não acho que que seja um trampolim, acho um estágio, uma passagem que a maioria dos cineastas famosos já passou. 
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Minha praia é o teatro, é onde minhas histórias são melhor contadas. É claro que nada está fechado, se aparecer uma boa oportunidade, por que não? 

Nenhum comentário: