sábado, 13 de julho de 2013

Regina Reis

Atriz.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Primeiramente o texto, a linguagem. Depois o diretor, elenco e equipe técnica. E finalmente, a autonomia que eu teria dentro dessa produção.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que infelizmente, na sua grande maioria, os curtas não têm espaço nem entre aqueles que o fazem. Não estou generalizando nem acho que esse seja o único problema, mas vejo muitos diretores dirigindo curtas por "falta de opção" no mercado dos longas e fazendo dos curtas uma "vitrine" do seu trabalho visando os longas... Também já vi muitos curtas com produções precárias, pobres em recursos e criatividade. Enquanto a própria classe não valorizar, respeitar e investir nos curtas, a repercussão continuará sendo mínima.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Agora você me pegou... rs... Sinceramente não acho que exista uma fórmula. Talvez a internet e a televisão fechada possam contribuir com os curtas. Mas precisaria pensar mais sobre o assunto uma vez que essa não é a minha área de atuação.
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Acabei de dizer isso lá em cima e nem tinha lido essa pergunta ainda... rs... Por enquanto, no Brasil, não vejo como alguém pode sobreviver apenas dirigindo curtas. Economicamente é totalmente inviável e artisticamente o cineasta fica extremamente limitado. Não existem grandes patrocínios para curtas, o que gera uma dificuldade grande para rodá-los, muitas vezes a falta de recursos financeiros gera a escassez de "material humano" (bons atores, técnicos, etc.) e isso se transforma numa "bola de neve"... É triste, mas real. Precisaria haver entre a própria classe um empenho maior em relação aos curtas. 
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Acho que marginalizado é um termo muito forte... rs, Prefiro acreditar que os diretores ainda não descobriram o poder dos curtas. Uma história bem contada, bem dirigida, com uma produção bem cuidada, bons atores e técnicos competentes teria um alcance imediato no público. Um argumento bem escrito, que trouxesse ideias claras, atingiria seus objetivos rapidamente se levarmos em conta que vivemos num mundo onde as pessoas as vezes não têm tempo nem para ir ao cinema assistir a um longa. 
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Como falei anteriormente, essa não é a minha área de atuação, mas não descartaria a possibilidade. Precisaria ser algo que pudesse expressar meu momento, aquilo que tenho vontade de dizer... Eu teria que ter autonomia e poder participar de todas as fases da produção, escalação de elenco, enfim, se fosse um projeto pelo qual me apaixonasse, aí sim, mergulharia de cabeça...

Nenhum comentário: