quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Julia Gorman

Atriz. Atuou nos filmes ‘Giovonni Improtta’ e ‘Podecrer!’.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
O roteiro tem que ser bom em primeiro lugar e tem que haver alguma identificação com o argumento, a ideia do diretor e a personagem. Nas minhas experiências em curta sempre tive muito diálogo com o diretor. Felizmente participei de trabalhos muito focados no sentido de pesquisa ou experimentação através da linguagem do cinema, onde desenvolvíamos processo de ensaios e laboratórios antes de chegar ao set. Em "Das Dores"(2007) curta-metragem de Gabriel Tupinambá, a ideia era coreografar a relação de dois amantes perdidos em um posto de gasolina abandonada ao amanhecer. E para complicar mais tínhamos um metrônomo no alto falante marcando o tempo de uma valsa, 3/4.  Cada impulso, respiração ou intenção deveria acompanhar a batida. 
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Não faço a menor ideia. Acho que deveria haver mais espaço para os curtas. Eu como espectadora tenho dificuldade de saber onde encontrá-los. Acho que deveria ter algum site especializado em curtas-metragens de todo o mundo. Que disponibilizassem o filme, não apenas informações sobre o mesmo. Muitas vezes lia sobre algum diretor premiado, sobre algum curta que me despertava o interesse e não sabia por onde começar a procura ( além do Youtube!)  Gosto muito dos festivais de cinema e foi lá que vi alguns filmes que me impressionaram positivamente.
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...  
Acho que o curta é um formato de linguagem. Uma forma sucinta e artística de comunicação. Como um poema ou uma crônica e o longa um romance, pela riqueza de detalhes e o desenvolvimento da trama. Acho que um diretor de verdade sabe apreciar as qualidade de ambas as formas de se fazer cinema. Tem histórias que merecem mais tempo para serem contadas e outras que funcionam de forma econômica.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não saberia responder isso já que não sou cineasta, mas como admiradora do cinema posso dizer que acho o mercado de distribuição e divulgação de curtas pouco eficiente...
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Curso direção teatral no UFRJ, tenho vontade de me aventurar como diretora mais vezes no teatro e quem sabe no cinema também? Me faltam a parte técnica e o olhar da cinematografia em cinema. Eu teria que estudar muito e me cercar de pessoas brilhantes na equipe técnica. Mas a parte de contar uma história através de imagens e som é o que mais me instiga.

Nenhum comentário: