domingo, 26 de outubro de 2008

J.L.Benicio

José Luiz Benicio é um dos maiores nomes do cinema nacional. Produziu mais de 300 cartazes para o cinema, incluindo os grandes clássicos dos Trapalhões e inúmeros filmes no período da pornochanchada.

Como surge um cartaz de cinema?
Você recebe uma idéia central e aí parte para a elaboração? O cartaz surge da conversa do ilustrador com os responsáveis pela realização do filme, sabendo o que eles pensam a respeito, o material fotográfico disponível, enfim todas as informações necessárias para surgir a idéia principal do cartaz.

Cartazista é uma profissão em existinção? O senhor observa se há novos talentos nesta área?
O cartaz é como a embalagem de um produto para vender. Não vai acabar nunca. A forma e os recursos da apresentação é que mudam, de acordo com os valores estéticos vigentes na época. Talentos novos sempre tem, só que às vezes demoram mais para aparecer.

Cartaz pode ser considerado uma obra de arte assim como uma tela de Portinari, por exemplo?
O cartaz é um tipo de arte aplicada. O objetivo principal é sempre a venda do produto. Geralmente não é destinado à exposição em galerias de arte nem museus, a não ser quando a genialidade de um Tolouse Loutrec ou de um Mucha se manifestam tão fortemente que os obrigam a permanecer nos museus para todas as gerações conhecerem.

Por que não há cartazes (ou raramente há) de curta-metragem?
Nada impede que um curta-metragem tenha um belo cartaz. O que acontece é que os orçamentos geralmente são tão baixos que não permitem ao produtor o "luxo" de um cartaz.

Acredita que, para incentivar a divulgação de curtas, é preciso fazer cartaz do filme? O cartaz ajuda a divulgar os filmes?
Seria ideal que todo o curta-metragem tivesse um cartaz de divulgação, pois como já disse, merece tanto uma bela embalagem, como um filme de "longa".

Qual é o seu próximo projeto?
Meu próximo projeto é atender ao próximo cliente que, felizmente, até hoje não me tem faltado.

Nenhum comentário: