terça-feira, 8 de novembro de 2011

Flávia Garrafa



Flávia é atriz. Participou de diversas novelas e mais de 25 produções teatrais. É um dos nomes mais solicitados da nossa dramaturgia.

O que te faz aceitar participar de uma produção em curta-metragem?
Fazer cinema por si só já um motivo para aceitar, mas o roteiro para um ator é tudo. Roteiro bom, vale até desmarcar compromissos.

Por que os curtas não tem espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que temos muita demanda, muitos longas internacionais e comerciais que ocupam esse espaço. Somos um país colonizado onde as coisas de "fora" são mais "valiosas" e importantes que a de dentro. Isso é um fato que está mudando e pode mudar mas temos que encarar. Em relação ao cinema estamos caminhando e já caminhamos bastante. Mas aqui o que vende é o que é publicado, não tem jeito. E é uma pena. Mas como então entre filmes de grandes distribuidoras, anúncios pagos ( e bem pagos) em jornais e TVs, pessoas e celebridades da moda, deixar que um curta metragem tenha uma espacinho. Só se alguma BIG BROTHER estiver nesse curta e nua!!! hahhahha Desculpe, mas esse é o país que vivemos.

Como deveria ser a exibição de curtas para atrair mais público?
Fui ao cinema outro dia assistir "Confissões de um Liquidificador "Aliás ótimo!!!! E lá, antes do filme, passou um curta e tinha uma atriz fazendo stand up. Sabe que eu achei uma ótima idéia? Porque assim o público vai se familiarizando com o curta. EU ADORO ASSISTIR CURTAS. E depois eu vi que a cada sessão tinha um curta diferente. E eu acho também que deveria ter sessões, em todos os cinemas de seleções de curtas. Numa cidade como São Paulo, a variedade é OBRIGATÓRIA. Por exemplo. Alguém poderia fazer uma seleção de curtas (por assunto, ou data, sei lá) para lançar em DVD. Alugar na locadora.

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Eu acho que é possível sim. Se ele gosta do formato. Se identifica. OK. Assim como um ator só fazer teatro, ou só fazer TV, ou só fazer comédia no teatro. Acho que não necessariamente é um trampolim. Um curta é tão cinema quanto um longa. O Tempo que define essa classificação. Às vezes temos um ótimo curta, com um roteiro incrível e um péssimo longa com roteiro ruim .

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não sei te responder essa pergunta. Mas... eu acredito e desejo que não. Como disse acima. É um formato. Uma possibilidade. Arte igual. Os dois. Não vejo porque marginalizar.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Adoraria. Trabalho com adolescentes. Dirijo peça com eles e morro de vontade de fazer um curta sobre alguns assuntos que tenho pensado. Mas nossa!!! A vida de atriz anda corrida. Mas tenho certeza de que um dia vai rolar.Não sei se dirigir, mas escrever, eu vou...

Qual é o seu próximo projeto?
Tenho alguns. Mas ainda não posso falar. Ando lendo muitos livros para tentar uma coisa diferente no teatro. Quero fazer cinema. Me chamem!!!!! (risos) e tenho a minha peça "TPM Katrina" que já é um sucesso há um ano e o ano que vem vai continuar. E Tem sempre o inesperado. O que é um grande barato da nossa profissão. Amanhã o telefone pode tocar e a vida mudar totalmente.

Nenhum comentário: