quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Adrian Teijido


Adrian é diretor de fotografia. Recebeu elogios por seu trabalho em ‘Por Trás do Pano’, de Luís Vilaça. É vencedor do prêmio de melhor Fotografia no Festival do Rio, pelo filme ‘Boca do Lixo’, longa-metragem dirigido por Flávio Frederico.



Qual é a importância histórica que o curta-metragem tem no cinema brasileiro?
Não sou a pessoa mais adequada para responder esta pergunta. Mas no meu caso ,como diretor de Fotografia foi no curtas que comecei a experimentar o exercício da Narrativa cinematográfica,foi nos curtas que entendi o que era fazer cinema,tanto no sentido técnico como conceitual.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?

Acredito que os curtas ocupam um espaço alternativo, um espaço que só desperta o interesse de uma parcela muito pequena do público.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?

Não sei responder essa pergunta, sempre quando vou assistir curtas metragens acabo assistindo curtas bons, mas também assisto a vários ruins ou muito ruins e isso não estimula.

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...

Não acho possível ser um cineasta só de curtas-metragens, os curtas são um trampolim sim para os longas, mas ,também são peças aonde se pode ser experimental, aprender estéticas e conceitos que podem se desenvolver para outros projetos seja Longa ou mini séries para a TV.

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?

Não acho que o curta seja marginalizado, simplesmente é um formato alternativo, e como um formato alternativo é mostrado em espaços específicos.

Qual é a grande diferença em fotografar um curta e um longa?

Cada projeto tem sua particularidade, o curta por se tratar de um formato menos comercial, se pode ter uma atitude menos comercial e mais experimental. Hoje em dia também se pode pensar em formatos mais alternativos tanto de projeção como de captação. Por exemplo, um curta pode sem problemas ser captado em digital e projetado em digital, já um longa é necessário uma estratégia mais sofisticada em relação a distribuição, pois geralmente envolve muito dinheiro.

Qual é a sua análise sobre a fotografia no curta?
Essa é uma pergunta muita genérica, existem curtas de todos os jeitos, bons, ruins, caros, baratos, amadores, etc.... Eu pessoalmente gosto ver curtas experimentais, diferenciados, independente da qualidade fotográfica. Por exemplo já assisti a curtas estudantis muito bons com uma fotografia tosca,mas nem por isso deixei de achar o curta legal. O curta é pra isso mesmo!

Pensa em dirigir um curta futuramente?

Não tenho no momento intenção de dirigir um curta, mas se surgir uma idéia legal, com certeza seria o formato em que me arriscaria na direção.

Nenhum comentário: