terça-feira, 11 de setembro de 2012

Jonas Bloch

Jonas é ator. Começou sua carreira há cinquenta anos, na pioneira TV Tupi, mas é conhecido pelos papéis que representou nas regravações das novelas ‘Irmãos Coragem’ e ‘Mulheres’ de Areia, da Rede Globo. No cinema são mais de 20 produções, entre elas ‘Amarelo Manga’ e ‘Cabra-Cega’.


O que te faz aceitar participar de trabalhos em curta-metragem?
A maioria dos curta metragens são feitos por iniciantes, pessoas apaixonadas por cinema, a mesma paixão que tenho.  Só isso já é uma razão para participar, além de compartilhar de algo que, sabemos, não nos trará lucros, só satisfação artística, que é a essência de nossa busca.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Quando fiz os primeiros curtas, a situação era muito pior que a de hoje. Vejo matérias, festivais, premiações de curtas, que seriam impensáveis anos atrás. O fato da maioria dos curtas serem feitos por gente inexperiente, dificulta receber um respeito tão grande quanto de um longa, feito, na maioria, por gente que passou por uma trajetória. 

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Uma pessoa quando sai de casa, enfrenta o trânsito, o estacionamento, etc., vai com a expectativa de assistir uma história contada de uma forma ampla, o que não é possível em 15 minutos de exibição, não atende às expectativas. Creio que a solução seria uma associação de diretores de curtas, que filmassem o mesmo tema e, reunindo todos, daria um longa. Tenho este projeto, já que filmei vários curtas com uma temática não realista, acrescido do fato de apresentar o mesmo ator em idades muito diferentes.

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...

É possível, se considerarmos que ser artista não depende de mercado. Van Gogh que o diga. 

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Creio que não. Nem pelo público. Basta ver a reação das platéias nos festivais. O que o pessoal do curta tem, é uma espécie de frustração. Comparo com atores que acham que só seriam consagrados se trabalhassem em televisão, o que é uma mentira. Fazer um longa, para o cineasta iniciante, seria como entrar na Globo ou na Record para os atores, o que, artisticamente, pelo tipo de "artistas BBB" que ocupa nossas telas, não é nenhum atestado de competência.  

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Já pensei, sim. Quem sabe? 

Nenhum comentário: