quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Mari Pin

Mari Pin é caracterizadora e trabalha na Rede Globo de Televisão.


O que te faz aceitar participar de trabalhos em curta-metragem?
Um bom roteiro para mim não existe restrições se o roteiro é bom pode ser longa ou curta, eu tenho que me apaixonar, faço até de graça.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Por que são não são bem divulgados e não geram lucros. 

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Poderia existir um projeto em todas as cidades do Brasil  de fazer um dia no mês de exibição de curtas em praças publicas. Todos teriam oportunidade de assistir sem restrições

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Sim, o curta é uma linguagem por si só, não é uma limitação. Curta é como um conto não precisa virar um romance e tem escritores que só escrevem contos.  

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Sim. E acho uma bobagem porque  é muito mais difícil  fazer um bom curta do que fazer um bom longa .

Um comentário:

Isabella disse...

Realmente precisamos investir mais em curtas e conhecer todo o trabalho por trás desse mundo cultural tão pouco explorado...