domingo, 7 de abril de 2013

Marcos Breda

Ator. É graduado em Letras pela UFRGS (1990) e mestre em Teatro pela UNIRIO (1999). Em 1986, é chamado para protagonizar, ao lado de Malu Mader, o filme ‘Feliz Ano Velho’, e pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Ator no Festival de Gramado. Tornou-se conhecido em todo o país com a telenovela ‘Mandala’, da TV Globo. Marcos Breda recebeu o Kikito de Melhor Ator de Curta-metragem em Gramado, por ‘Sargento Garcia’, em 2000.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Basicamente as mesmas razões que me levam a aceitar participar de produções em longa metragem: um bom personagem, uma boa história a ser contada e, principalmente, uma boa maneira de contar essa história, um bom diretor, uma boa equipe... as razões podem ser várias, mas qualidade é sempre fundamental, claro.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Curtas-metragens deveriam ter seus próprios espaços de exibição, divulgação etc. Não podem concorrer com os longas porque sua natureza & proposta é bastante distinta.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Sinto saudades do tempo em que exibiam curtas metragens antes dos longas nos cinemas. Isso poderia voltar a ser feito. E também, claro, festivais especializados neste tipo de filme, juntamente com exibições em televisão aberta & canais a cabo, internet e até celulares. Com as novas tecnologias, todo dia surgem novas possibilidades e precisamos ser criativos & ousados para descobrir e explorar estas novas possibilidades. 
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Nem sempre apenas um trampolim. Existem cineastas de curta, média, longa metragens, digitais ou não, documentais ou ficcionais. O importante é você encontrar a bitola & duração & tecnologia adequadas para a história que você tem para contar. E adequada ao seu orçamento também, claro...
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Eventualmente sim. Existem, por exemplo, atores de teatro adulto que acham teatro infantil algo menor. Uma bobagem, claro. Um filme é bom ou não é, independente de ser curta ou longa.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Penso em dirigir teatro. Cinema só como ator, pelo menos por  enquanto...
 
Depois de fazer uma participação especial numa novela, devo fazer quatro longas como ator e estou muito feliz com essa possibilidade de voltar a trabalhar bastante com cinema.

Nenhum comentário: