sexta-feira, 20 de abril de 2012

José Geraldo Couto


José Geraldo Couto, jornalista e tradutor, foi colunista da Folha de S.Paulo. É crítico de cinema, literatura e futebol.



Qual é a importância histórica que o curta-metragem tem no cinema brasileiro?
Podemos pensar numa dupla importância do curta-metragem para o cinema brasileiro. Por um lado, foi por meio de curtas que muitos dos nossos grandes cineastas fizeram sua entrada no cinema: Glauber Rocha, Joaquim Pedro de Andrade, Rogério Sganzerla, Julio Bressane e inúmeros outros. Além disso, foram os curtas que, no período mais crítico do cinema brasileiro, na virada dos anos 80 para os 90, mantiveram ativa a produção. Foi o período em que surgiram no curta talentos como Jorge Furtado, Beto Brant, Tata Amaral, Joel Pizzini e inúmeros outros. Há ainda casos muito particulares, como o do pioneiro Humberto Mauro, que durante décadas se manteve em plena atividade realizando curtas educativos para o Instituto Nacional de Cinema Educativo.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
A cobertura cultural da grande imprensa, de um modo geral, está cada vez mais subordinada à lógica do mercado. As seções culturais dos jornais e revistas são cada vez mais vistas como guias de consumo de bens culturais para os leitores. Como os curtas praticamente não têm lugar no atual circuito exibidor (nem nas salas de cinema, nem nas TVs, com exceções como o Canal Brasil e a TV Cultura), eles não têm existência de mercado e por isso são ignorados.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público? Não tenho opinião formada sobre o assunto, mas talvez seja o caso de reeditar, em novas bases, a política de exibição de um curta metragem antes de cada longa exibido nos cinemas. Sabemos que essa lei vigorou por um tempo, nos anos 60 e 70, mas foi desvirtuada porque os exibidores, para cumprir a exigência de obrigatoriedade, começaram a produzir seus próprios curtas, geralmente filmes de baixa qualidade, por exemplo filmes institucionais chapa-branca como os de Primo Carbonari e Jean Manzon. Mas quando eram exibidos bons curtas nacionais antes dos longas o público geralmente reagia bem, e assim se manifestou em várias enquetes de opinião.

É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Penso que é possível, do ponto de vista artístico, produzir uma obra relevante composta apenas de curtas-metragens. Alguns curtas já produzidos, no Brasil e no exterior, são valiosos em si, não como "estágio preparatório" para a realização de longas. Penso, por exemplo, nos curtas de Alain Resnais (como "Noite e nevoeiro"), de Godard ("Todos os rapazes se chamam Patrick" e vários outros), de Jean Cocteau, Orson Welles, Stanley Kubrick, nos brasileiros "A velha a fiar", de Humberto Mauro, "Pátio", de Glauber Rocha, "Ilha das Flores", de Jorge Furtado, "Caramujo flor", de Joel Pizzini. Citei só os que me vieram rapidamente à memória, mas a lista seria interminável. O que o ocorre é que, para viabilizar o cinema como profissão, os diretores em geral são compelidos ao longa, que tem uma existência comercial que o curta em geral não tem, e não só no Brasil.

O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Talvez seja. Não tenho como avaliar. Sei que os diretores que ainda não fizeram um longa detestam ser chamados de "curta-metragistas". Acho que há, sim, um estigma generalizado quanto ao formato, como algo menor, preparatório para os voos maiores dos longas.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Não, nunca pensei em dirigir, nem curta nem longa. Quando muito, posso colaborar num roteiro.

Um comentário:

couto.zegeraldo disse...

caro spaca,
muito bom o blog. fico contente de estar nele com esta entrevista. mas preciso fazer uma correção/atualização: não estou mais na folha de s. paulo. agora colaboro com as revistas "bravo!" e "carta capital" e escrevo uma coluna de cinema no blog do instituto moreira salles (http://blogdoims.uol.com.br/jose-geraldo-couto-no-cinema/).
abração, parabéns pelo blog.
zé geraldo