segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Tuca Andrada

 
Ator. No cinema atuou em ‘Não me Condenes antes que me Explique’; ‘Doces Poderes’; ‘Vida e Obra de Ramiro Miguez’; ‘Guerra de Canudos, entre outros.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Sem duvida que primeiro vem o personagem, depois vem o diretor.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que a cultura em geral tem pouco espaço nos jornais. No caso dos curtas-metragens, acredito que deva-se ao pouco ou nenhum retorno financeiro que eles trazem.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Se fossem exibidos antes de um longa-metragem já teriam maior visibilidade.
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Eu não diria um trampolim, mas um aprendizado para voos cinematográficos mais altos. Acho difícil ser cineasta só de curtas, pois esse formato é apenas um exercício da linguagem do cinema. Não conheço, nem mesmo fora do Brasil, quem sobreviva só fazendo curtas. Mas acho interessante um cineasta já consagrado voltar ao formato de vez em quando.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não acredito nisso ou pelo menos nunca percebi isso.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Sim, tenho um projeto já pronto e estou a cata de patrocínio. (Se souber onde posso mandar o projeto, me avise, rsrsrsrs).

Nenhum comentário: