sábado, 27 de outubro de 2012

Eduardo Dussek

Eduardo é músico suas composições buscavam aliar sátira e bom humor. Em 2010 participou do filme ‘Federal’.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
O roteiro e argumento, o diretor e o elenco com quem vou contracenar. Tem que haver crescimento artístico.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Por que não há uma política de distribuição e exibição. A exibição dos curtas está restrita aos festivais.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Deveria haver um critério de seleção do Ministério da Cultura, numa banca de cineastas e outros profissionais da cultura, premiando com exibição uma quantidade  grande de curtas, a cada dois meses. A seleção seria feita visando qualidade, classificação por idade e metragem; e paralelamente haveria  uma lei obrigando exibição de um  curta, de até tantos minutos, em todo sessão do circuito comercial.
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Não posso lhe informar isso, pois não sou produtor de curtas, mas concordo que produzir curtas na maioria das vezes é um trampolim pros longas.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Acho que não, afinal todos fazem ou já fizeram curtas.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Em arte, já fiz tantas coisas variadas, que até eu e o Universo duvidamos do que eu vou fazer amanhã. Jamais digo: dessa água não beberei! rsrsrsrs

Nenhum comentário: