terça-feira, 9 de outubro de 2012

Sandra Corveloni

A atriz, por sua atuação em ‘Linha de Passe’, filme de Walter Salles e Daniela Thomas, foi escolhida como melhor atriz no Festival de Cannes. Atuou também nos curtas ‘Flores Ímpares’ e ‘Amor!’.
Você debutou no cinema nos curtas-metragens "Flores Ímpares" de Sung Sfai e "Amor" de José Roberto Torero. Qual a importância do curta na sua carreira?
Foi meu primeiro contato com a câmera, com um set de filmagem, então foi super importante, alem do mais tinha gente muito bacana e experiente, como a Rosi Campos, que eu já adorava ( dos palcos de Sampa).Acho que a pratica nos torna mais tranqüilos, mais seguros.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
O roteiro e a direção, se o roteiro for bacana, pra mim, claro e se o diretor tiver uma boa proposta, eu aceito, é difícil contar uma boa historia, é isso que me seduz.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que o Brasil tem uma Cultura imediatista, de resultados rápidos e principalmente o que esse produto causa na mídia, não é só o curta metragem que não tem espaço na mídia, o teatro também não tem, a musica, o que importa pra mídia é o que vende mais, infelizmente, ainda bem que existe alguma mídia especializada, alguns programas que nos dão noticias de outras produções "alternativas", como se costuma dizer...
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Pra começar, poderia haver um horário na TV aberta ( fora TV Cultura ) que exibisse um curta, tipo 3 por semana, não é muito, é? Acho que a exibição na TV alcançaria um numero incrível de pessoas que nem sabem que existe o curta metragem. Nunca pensei numa estratégia para os curtas, mas já que você perguntou, comecei a pensar sobre isso. Que tal um DVD com vários curtas juntos, que poderia ser alugado ou vendido. Um curta atrelado a um longa no cinema ( sempre) também não seria ruim, enfim... vamos fazer um debate sobre isso!???
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Acho perfeitamente possível, ser diretor só de curta-metragem é uma tarefa difícil, ser objetivo, contar uma boa historia, aproveitar bem o pouco tempo que se tem e conseguir envolver o publico nesse " pouco" tempo, acho que isso ja é uma carreira e tanto. Isso não impede que o Diretor dirija curtas e longas, mas não acho que deva servir como trampolim, é uma obra ( curta ou longa) e deve ser tratada com respeito.
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
Não sei, espero que não!
 
Em 2008, você ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes. Depois disso, aumentou ou inibiu os convites para atuar em curtas?
Tomara que não tenha inibido, quem chega para convidar, chega com
muito respeito, acho bonito, mas quem quer mesmo que eu trabalhe no projeto , não fica inibido, quem sabe o que quer, chega com uma proposta firme, clara e isso faz toda a diferença. Fiz 3 curtas muito lindos no ano passado. Esse ano ainda não surgiu nenhum, pena.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Penso em dirigir um curta , um longa, uma série, eu sou muito curiosa, tenho muitos sonhos e desejos, mas vou devagar, tem muita coisa ainda por fazer antes de pensar em dirigir cinema.

Nenhum comentário: