domingo, 11 de agosto de 2013

Daniel Dottori

Ator. Estrelou o seriado de humor ‘2 Apês’ da TV USP, o primeiro programa para jovens feito por jovens, sobre o cotidiano de um grupo de estudantes que mora em dois apartamentos vizinhos.Foi apresentador do programa de TV ”Um mundo pra chamar de seu” no canal GNT.
 
O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Gostar do personagem e acreditar na história... normalmente os curtas tem verbas muito restritas que são gastas para a produção como um todo, então o grande barato e se encantar com as cenas e os diálogos que poderemos fazer. No cinema, acredito, que posso embarcar em um universo real simplesmente pela possibilidade de filmar em "cenários reais" e isso é uma enorme satisfação.
 
Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Poucas são as salas de exibição e os horários, mas também acredito que os jornais tem um espaço, ainda, pequeno para a cultura e assim é necessário priorizar determinadas artes... o espaço dedicado ao cinema nacional,  que aborda principalmente  as grandes produções, poderia ser maior para conhecermos mais e mais do é feito aqui. Assim, também, teríamos mais espaço para comentar sobre os curtas que são um universo à parte.
 
Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Antes da exibição dos longas... normalmente assistimos a uns 20 minutos de propagandas e trailers e este tempo é mais que necessário para vermos um curta... aliás, alguns longas de animação já fazem isso e funciona muito!
 
É possível ser um cineasta só de curta-metragem? Vemos que o curta é sempre um trampolim para fazer um longa...
Acho um pouco difícil mas é possível... assim como é difícil um ator de dedicar a fazer somente teatro...  existem grandes roteiristas e cineastas que se dedicam muito a isso e realizam! O curta pode ser um trampolim para fazer longa, mas independente disso você está fazendo cinema e conseguir finalizar um trabalho assim é uma grande conquista mesmo se o longa não vier...
 
O curta-metragem é marginalizado entre os próprios cineastas?
De maneira nenhuma... é cinema só que com alguns minutos a menos.
 
Pensa em dirigir um curta futuramente?
Adoraria dirigir um curta... ter que pensar em como observar  e registrar uma história para contar aos outros seria uma experiência fantástica!

Nenhum comentário: