sexta-feira, 17 de julho de 2015

Flávia Servidone


Atriz. Atuou nos espetáculos teatrais "Memórias de Brás";  "A Rosa do Povo" e; "Bailei na Curva". Atuou no curta-metragem "Alice K.", de Ruy Jobim Neto.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Bom, o que me faz aceitar primeiramente é a proposta do curta, o roteiro, se me agrada e parece ser algo interessante para o público acho que vale a pena participar.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Infelizmente, apesar de admirar muito esse trabalho, tenho pouca experiência, na verdade estou acostumada a atuar em teatro. Lembro da minha primeira experiência com câmera, foi uma vez que tive que fazer um vídeo que iria passar antes de iniciar a peça de teatro, uma espécie de introdução da peça, foi bem interessante, pois é bem diferente da atuação no teatro.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Eu acredito que os curtas são vistos como uma atividade alternativa, infelizmente no Brasil, a arte não tem muito espaço, só tem espaço o que é comercial e vendável, e curtas costumam ser mais "cult" e aí os jornais acabam se interessante por aquilo que vende mais, que o público em geral se interessa. O que é uma pena.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Eu acho que deveriam ser exibidos nos cinemas tradicionais de shopping, como os longas-metragens de Hollywood, talvez inicialmente com um preço mais acessível, mas, seria maravilhoso poder assisti-los nos cinemas convencionais. Os cinemas deveriam investir também em mais festivais de curtas, a televisão também, os canais abertos deveriam passar com mais frequência esse tipo de trabalho.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Acredito que sim, é um espaço que todos da equipe tem de experimentar criar coisas novas e colocar em pratica sua criatividade, pois eu vejo os curtas como um espaço para transmitir algo diferente e inovador para o público.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Nem sempre. Porém com certeza tendo experiência com um, é mais fácil conseguir fazer o outro.

Nenhum comentário: