sexta-feira, 17 de julho de 2015

Rodrigo Mangal


Ator e cineasta. Dirigiu o curta-metragem “O Condenado”

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
A oportunidade de atuar em cinema ou audiovisual, além de participar de um bom projeto com pessoas bacanas.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Além de já ter atuado em alguns curtas-metragens, já dirigi e atuei em um curta de terror intitulado "O Condenado", que obteve um resultado bem interessante.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Me parece que a mídia cultural está cada vez mais "desespecializada", e tem seu olhar dirigido a pequenos grupos. Apesar de não viver muito a realidade do cinema, acredito que o ranço panfletário que dominou a sétima arte no Brasil há algumas décadas atrás, motivado pelo academicismo autoritário, enfraqueceu a relação do cinema com o público brasileiro e consequentemente, nos dias de hoje, o interesse da mídia em falar de produção alternativa de cinema nacional ainda é tímido, se não for nulo.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Realizações de mais festivais temáticos (terror, comédia, etc.), exibições de curtas em parques, ao ar livre (Parque do Ibirapuera, Parque da Aclimação). É necessário ter ideias, chamar a atenção. É um desafio enorme.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Com certeza, mas acho importante que a experimentação seja criativa, comunicativa, para que não se torne apenas uma masturbação artística que acontece somente na cabeça de quem realiza. Ter consciência, na medida do possível, de como e o quê sua obra de fato comunica é de fundamental importância.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa? 
Se fizer bons curtas, pode vir a ser. Com certeza, para muitos, é o começo.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Olha, não faço a mínima ideia, e se talvez soubesse, provavelmente não revelaria.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Sim, penso sim. Tenho uma história na cabeça que me anima muito em fazer. Quem sabe um dia? 

Nenhum comentário: