segunda-feira, 25 de maio de 2015

Brás Antunes


Ator. Atuou no longa-metragem “A Busca” e no curta-metragem “Doidão”.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Acho que mais do que um fator presente no método, depende para mim da qualidade do roteiro, da equipe, enfim. Até pouco tempo atrás eu aceitava fazer curtas de faculdade porque junto com os universitários, eu aprendia com eles. Achei divertidos todos os trabalhos, mas hoje não em interesso muito. Vou participar de um projeto da minha irmã que faz cinema na FAAP, mas acho que já deu a minha cota de produções universitárias.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Fiz um papel no curta chamado "Doidão", de Pedro Catellani. Além disso, um coadjuvante no piloto do "Turno da Madrugada" de Gian Berselli. Ambos projetos universitários.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que a crítica da grande-mídia é muito limitada. Além disso, tanto a oferta de curtas-metragens é maior, quanto a procura pelo público é menor que a por longa e média metragem. Isso é lastimável porque há muita qualidade na produção de alguns curtas, mas é natural da mídia mais preocupada com o que rende capital.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Ano passado havia um projeto no meu colégio. O grupo Cinestesia projetava durante os recreios de dez minutos curta metragens toda semana. Eu acho uma ideia muito bacana.
Além disso, gosto muito de festivais de curtas-metragens.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Na minha opinião, em qualquer obra o autor deve ter o direito de experimentar. O curta-metragem pode ser um grande campo, não necessariamente "o", por ser de mais prática produção que um longa-metragem.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa? 
Acho que não. Pode ser um grande passo no ganho de experiência, mas esse não deve ser o propósito da produção de um curta-metragem.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Não sei responder essa questão com firmeza.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Essa ideia me interessa profundamente, mas no momento não tenho nenhum projeto.

Nenhum comentário: