domingo, 1 de março de 2015

Amauri Ernani


É um dos fundadores do Teatro Cultura, espaço de arte independente localizado no coração histórico-cultural da cidade de Curitiba, sede da Palco Cia.de Teatro. Dirigiu o curta-metragem ‘Reviver Praça Garibaldi’.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Bem, só participei uma vez como ator, o filme era: Bento Cego e dirigi um curta documentário: Reviver Praça Garibaldi. Fazer cinema ou vídeo, em qualquer formato é uma experiência muito renovadora. Gosto da linguagem. E curtas são mais fáceis de serem viabilizados.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Bem, como eu disse, foi apenas uma experiência, mas deixou a vontade de voos maiores no futuro.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Os curtas, apesar de não constarem diariamente dos veículos de mídia, têm um bom espaço em Festivais e Mostras, mas deveriam fazer parte da programação dos cinemas, com apresentação antes do filme principal.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Durante a programação normal nos cinemas, exibido antes dos filmes de longa-metragem. Isso faria o grande público conhecer a grande produção brasileira nesse formato.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Sim, pois através dessa experiência, o profissional adquire experiência para futuros trabalhos.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Sim e não. Sim, pois dá experiência, e não por que o curta, como formato, já é interessante como linguagem e não deve ser encarado somente como um estágio.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Trabalho, trabalho e um pouco de sorte. Patrocínio também ajuda, assim como apoio do Governo. Mas o que interessa mesmo é o clássico: Uma ideia na cabeça e uma câmera na mão.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Sim, com certeza. Sou apaixonado pelo formato, tanto como artista como público.

Nenhum comentário: