domingo, 1 de fevereiro de 2015

Carla Lamarca


Apresentadora, modela e atriz. Foi revelada e destacou-se na MTV Brasil, onde apresentou os programas Disk MTV e Jornal da MTV. Como atriz atuou nas telenovelas ‘Insensato Coração’ e ‘Ti Ti Ti’. Atuou na série ‘O Brado Retumbante’.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Roteiro é o que me pega, de cara. Com pouco tempo acho que o roteiro tem que ter uma historia boa pra contar. A essência de curta pra mim é isso. Pode uma historia simples, criativa, sem firulas, essas pra mim são as que mais dão certo.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Eu participei de dois até hoje, normalmente e infelizmente a produção é super enxuta, pouca grana, mas a equipe está sempre muito afim de fazer o trabalho o que deixa o clima muito bom. Os dias de filmagens e ensaios são poucos, então o ator trabalha bastante sozinho e na hora de gravar é quando é mesmo decido como as cenas vão ser feitas. Fiquei super feliz com resultados.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que é uma questão cultural mesmo, aqui não temos o habito de assistir curtas e por isso o espaço é pequeno. O acesso "parece" mais limitado, quando na verdade não é, tenho muito amigos produzindo curtas, disponibilizando na internet, em redes sociais, ou seja, não é "difícil" ver o que a nossa geração está fazendo.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Acho que a divulgação está sendo feita, na medida do possível. Aos poucos o público vai começar a perceber que existe esse universo e dar mais valor. Hoje, o que está na internet está pra todo mundo ver, não tem como fugir disso.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Com certeza, em todos os aspectos, quem faz curta hoje faz por que quer fazer, sem nenhum interesse a não ser artístico e isso dá total liberdade para experimentar o que quiser. Daí surgem milhares de ideias novas, boas ou ruins também. Mas acho que é assim que tanto quem está começando ou quem já está no mercado há bastante tempo, consegue fazer o que realmente tem vontade de fazer.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
É um começo, um laboratório. Tudo o que der errado em um curta, multiplica-se por cem em um longa-metragem. Ou até mais! Mas acho que um não anula o outro, muitos diretores de longas continuam fazendo curtas a vida toda. Acho que é um tesão mesmo por contar uma história neste formato.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Acho que se alguém soubesse já teria contado pra todos nós que estamos nele. (Se souber, conte por favor).

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Dirigir? Não tenho essa pretensão, mas escrever um roteiro com certeza. Essa é mais a minha praia, quem sabe em breve, já tenho umas ideias aqui. 

Nenhum comentário: