domingo, 1 de fevereiro de 2015

Ralph Maizza


Formado em Rádio e TV pela Faculdade Anhembi-Morumbi e como ator pelo curso técnico da Escola de Teatro Ewerton de Castro. Dirigiu ainda o curta-metragem “Como gasolina para querosene”, baseado em peça de sua.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
O que me faz aceitar hoje é um roteiro bem definido com uma equipe que sabe o que está fazendo, tendo um objetivo sintonizado, caso contrário, tudo fica solto e o produto final fica muito ruim. É o que acontece muitas vezes. O cara que idealizou o argumento não tá sintonizado com o diretor, que por sua vez não sabe bem o "estilo" ou "clima" que quer focar. E é isso o que nós temos de pior nessa "cultura de curtas". Tudo é feito com pressa, sem estudar bem o argumento, sem pesquisa. Outro fator é dinheiro. Não topo fazer nada de graça como "experimentação". Essa galera que quer trabalhar sem pagar os atores ou roteiristas só consegue gente inexperiente e fora do perfil. Na faculdade, essa galera aprende indiretamente que ator não precisa receber, que aceita fazer um curta em troca de material, ou por um dinheirinho simbólico pra pegar o ônibus. Mentira. Um ator profissional e bom no que faz, cobra.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Fiz pouco, e a maioria dos que eu fiz passaram pelos problemas que citei na primeira pergunta. Rejeitei já alguns convites por conta disso.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Não sei te dizer. Cultura em geral já não tem muito espaço, né!? As pessoas acham o "big brother" e as fofocas da novela mais interessante, vai se fazer o que!? Mas acho que curta-metragem tem um certo espaço sim. Está cheio de festivais bacanas por ai, acontece mostras de curtas o tempo todo em SP, o Canal Brasil sempre passa curtas na programação e a TV Cultura até pouco tempo atrás tinha o programa "Zoom" que era só focado nisso. Fora o "Youtube!", que é bem legal pra isso.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Acho que seria legal se um curta fosse exibido antes de uma sessão de cinema. Já vi isso acontecer, é bem legal e atinge um público que talvez não fosse se interessar se já não estivesse ali sentado. Mas curtas escolhidos à dedo, por favor!

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Sim, mas com prudência... é também o momento de descobrir o caminho a ser seguido nessa profissão.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Às vezes acontece.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Tá perguntando pro cara errado.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Já dirigi um no meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), sim, foi legal, mas errei em muita coisa, te falo sinceramente. Vou gostar de fazer isso de novo, mais experiente.


Nenhum comentário: