terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Gerson Sanginitto


Cineasta. Dirigiu o longa-metragem "Área Q".

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Todo processo é mais rápido, além de que, na minha opinião o curta-metragem é uma das melhoras formas de um realizador mostrar o seu trabalho e o seu potencial com um custo baixo.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Comecei a fazer meus curtas na faculdade, fazia um por semestre, porem cheguei a fazer dois curtas durante dois semestres consecutivos. Trabalhei não só como diretor e produtor, mas a estrutura era de todos trabalharmos em funções variadas nos projetos dos colegas. Dessa forma tive um aprendizado básico, pois rodei em todos os departamentos que envolvem uma produção, desde de operador de boom até diretor de arte.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Porque não tem valor comercial.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Deveria se mostrar um ou mais curtas antes de qualquer sessão de um longa-metragem.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Sim, geralmente o realizador de um curta faz o seu filme com os seus próprios recursos, então ele tem todo controle artístico do filme.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Com certeza, eu sou um exemplo disso. Um dos meus últimos curtas na faculdade, "Contend" sobre um lutador de MMA com vários conflitos sobre a vida que levava, foi o trampolim para o meu primeiro longa. Na estreia do meu curta, convidei alguns produtores de cinema que eram envolvidos na área de luta também para assistir. No final da exibição recebi um convite para dirigir meu primeiro longa.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
(Risos). Complicada essa pergunta, se eu soubesse ficaria mais fácil. Brincadeiras a parte, eu acho que existem determinados gêneros de filme que funcionam melhor com a audiência Brasileira como a comédia. Não sei, talvez se o sucesso for medido pela bilheteria, acho que uma comédia tem mais chance de ter publico.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Penso sim, um curta-metragem além de todo controle artístico que um realizador tem, é também uma forma de exercitar. Como nós sabemos, todo o processo para se fazer um longa é muito demorado, então o curta metragem se torna a forma mais viável para um realizador não enferrujar, (risos).  


Nenhum comentário: