sábado, 24 de janeiro de 2015

Manoela Pamplona


Atriz. Integrante da Cia. Paidéia de Teatro.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Uma boa proposta artística, um roteiro ou conceito no qual eu acredite artisticamente.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Nunca cheguei a concluir nenhum trabalho. Gosto muito de filme, mas me dedico ao teatro. Por destino as vezes que comecei a me envolver com curtas por um motivo ou por outro os projetos não foram pra frente. Ainda estou à espera da minha estreia.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acredito que os curtas ainda tenham que conquistar seu espaço na mídia. Ainda somos bastante quadrados, muitas formas de arte não tem espaço, por exemplo o teatro infantil, as artes de rua, performances, até os documentários ainda estão na luta por um espaço. Já estamos no caminho, com a internet, a divulgação dessas artes que ficaram mais marginalizadas se tornou mais fácil.

Mas o caminho é longo.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Esses festivais de curtas chamam muito a atenção. Acho que, pelo menos nas cidades grandes, as pessoas não saem de casa para ver um filme curto, ainda que ele seja intenso e maravilhoso, a relação com o tempo de duração ainda é muito forte. Por isso acho que para serem exibidos para o público, devem estar atrelados a outro evento: outros curtas, um show... Ou até mesmo invadirem espaços cotidianos, em vez de passar TV nas salas de espera, no ônibus, enfim, tem tanta TV ligada o tempo todo por aí... seria lindo se a programação delas fossem curtas bem feitos.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Não. Não acredito nisso não. Um trabalho artístico pode ser experimental ou não, independente da forma. Acho até perigoso esse conceito. Claro que um trabalho ruim, quanto mais curto melhor, rs... mas ninguém tem a intenção de lançar coisa ruim, não é?

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Talvez sim. Um filme requer muitos recursos, a produção de um curta deve exigir tanta expressão e seriedade artística quanto um longa, mas pode custar menos e servir de demonstração de um trabalho profissional (em qualquer das áreas envolvidas)

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Não sei. Hahahahaha... tem receita para vencer em alguma coisa? Seriedade, integridade, vocação e sorte. Talvez seja essa a receita.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Dirigir? Hmmmm... não. Não penso, mas posso pensar.

Nenhum comentário: