sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Nazareno Casero


Ator. Atuou nos longas-metragens “Estamos Juntos”; “Crônica de uma Fuga”; “Aballay, el hombre sin miedo”; entre outros.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Eu fiz poucos curtas-metragens, mas acho que o roteiro é muito importante... mesmo se o roteiro é bem louco, tem que ter alguma coisa que seja certa na hora da pesquisa.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Eu fiz só dois curtas-metragens, sempre com amigos. Acho que é um lugar ótimo pra praticar, para treinar e começar a mergulhar no mundo do cinema.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Acho que qualquer ou quase qualquer pessoa pode fazer um curta-metragem, então os críticos de jornais tiram importância deles.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Poderia ser legal antes das exibições dos filmes no cinema, começando a acostumar o público.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Sim, acho que sim, quase não tem limites. Para os atores pode ser um pouco menos de liberdade, porque o diretor vai tentar experimentar algumas coisas que o ator vai ter que fazer, então que acho tem, mas liberdade é o diretor ou câmera.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Não sempre, mais penso que é um momento chave na vida de quem quer fazer um longa-metragem, pode nascer um diretor ou pode morrer um capricho de alguém chateado.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Se eu tivesse esse segredo eu teria tentando fazer sucesso no Brasil.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Sempre estou pensando ideias, que adoraria fazer, dirigir, mas no momento do "roteiro" fico chato quando não posso fazê-lo. Curto então minhas ideias, ficam aguardando que eu tenha a capacidade de poder sintetizar, pra fazer curtas... se eu conseguir fazer, vou falar pra você!

Nenhum comentário: