sábado, 17 de outubro de 2015

Ando Camargo


Ator. No cinema, participou do filme "Bruna Surfistinha, O doce veneno do escorpião".

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Na minha área que é atuação, sempre fui muito fascinado por cinema em geral, daqueles viciados mesmo, que assiste tudo, sabe o nome de tudo e todos...

Quanto a participar de curtas, sempre foi um prazer, mas claro que sempre lendo antes o roteiro, sabendo quem será a equipe e procurando saber se será um trabalho artístico que me trará prazer e crescimento. Fazer apenas por fazer não é muito minha praia, mas isso em todos os meus trabalhos, seja cinema, teatro ou TV.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Eu participei de vários curtas, e sempre foi um grande prazer. Já fiz desde produções que tinham uma estrutura já grande, bem profissional, como também com formando de cinema da USP , da Faap. Como já disse o que mais me interessa é a ideia e a parte artística, independente do tamanho da produção. Tive apenas uma experiência que prefiro esquecer, (risos), pois a diretora e a equipe eram muito, mas muito inexperientes e pra mim com ator acabou virando uma grande roubada, Me arrependi. Mas acontece. (risos). Prefiro não dar nomes aqui, nem dos elogios, nem das criticas, acredito que se um trabalho é feito com seriedade, todos os envolvidos crescerão cada um em sua área.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Então, isso é realmente uma tristeza, que na minha opinião não afeta só os curtas, e sim a arte em geral. Os espaços nos cadernos culturais ficaram cada vez menores, parece que moda e culinária são mais importante que o teatro e o cinema. Uma pena!!! Culpa dos editores despreparados.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Acho que primeiramente os curtas deveriam passar antes dos longas-metragens em todas as sessões, ou em outro caso, não sei, existirem salas ou sessões com quatro curtas de uma vez. Mas pra isso  a politica cultural do pais precisa mudar e muito. É muito despreparo.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Acredito que sim, para erros e acertos, e se criar uma identidade artística do diretor ,enfim de todos ali envolvidos.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa?
Não sei exatamente se um trampolim, acredito que um cineasta pode ficar anos fazer ótimos curtas sem ter vontade de fazer um longa, e se tornar um grande diretor de curtas. Na Europa existem vários diretos apenas de curtas-metragens, não acho de maneira nenhuma uma demérito, apenas uma qualidade do cara.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Na minha área que é atuação, não sou melhor pessoa pra responder esta pergunta. Mas acho que enquanto continuarmos com estas comedias bobas consideradas super produções, e estes diretores  considerados grandes artísticas apenas pelos milhões de espectadores que levam as salas, o nosso cinema e nosso país estará sempre dando passos falsos, e para trás.  Mas acho que quem tem estudo e acredita realmente na arte como educação, não deve nunca desistir de suas ideias. É um trabalho de formiguinha, mas quem sabe a formiga não vence o elefante? (risos).

Pensa em filmar um curta futuramente?
Tenho sempre ideias pra curtas, quem sabe um dia não me aventuro, com uma equipe de sonhadores como eu.

Nenhum comentário: