sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Danilo Bethon


Ator. Atuou no espetáculo teatral “Cidadão de Papel”, escrita por Celso Cruz a partir do livro do jornalista Gilberto Dimenstein.

O que te faz aceitar participar de produções em curta-metragem?
Primeiramente vem a sedução pelo roteiro, acho que tem rolar uma paixão.  Se ver fazendo parte da obra é fundamental.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Sou apaixonado por cinema, fiz alguns curtas e uma participação em um longa. Todos com dedicação a personagem e ao esclarecimento fiel da obra, principalmente por se tratar de uma historia curta, então a nossa vontade é que o recado seja dado, entendido e que mesmo com pouco tempo o publico consiga se identificar de alguma forma. E graças a Deus só trabalhei com pessoas incríveis que tinham as mesmas vontades que eu.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
É aquele negocio você tem dinheiro você tem atenção, mas onde e como podemos gerar dinheiro com curtas?  Se houvesse alguma maneira de se gerar dinheiro ai os holofotes da imprensa seriam virados para o mercado de curtas.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Primeiramente na televisão, acho que exibições em mais emissoras nas principalmente as grandes onde a população esta sempre ligada. 

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Acredito eu que sim, como você já pega a obra fechada tem varias possibilidades de viajar no mundo da criação. Mas lógico não podemos esquecer que cada diretor é um diretor e em alguns casos você como ator acaba sendo limitado.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa? 
Muitas vezes você vê pessoas investindo e fazendo seus próprios curtas por uma realização para experimentarem caminha com suas próprias pernas porque sabemos que o retorno não é o merecido tanto da mídia como do consumidor de cinema. Então se mostrar com o seu melhor em alguns minutos pode sim ser um trampolim.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
Que difícil responder essa, olha vou ser honesto não tenho uma resposta correta, mas pelo que tenho acompanhado as redes sociais estão ajudando muito a divulgar nossos trabalhos, mas ainda cai naquele negocio: somos vistos, mas quem paga por esse trabalho?

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Futuramente sim, por enquanto quero me dedicar a ser dirigido e colher tudo que puder de quem já está na estrada a mais tempo.

Nenhum comentário: