quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Laerte Késsimos


Ator e diretor. No cinema já atuou em diversos curtas e também dirigiu. Em uma carreira paralela, desenvolve seu trabalho de artista gráfico e áudio visual, em cinema e vídeo como fotografo, diretor, e criação gráfica e em movimento.

Conte sobre a sua experiência em trabalhar em produções em curta-metragem.
Então além de ator, também sou diretor, montador, design gráfico, fotografo, roteirista e já fiz e faço um pouco de tudo no cinema. Mas a maioria dos curtas-metragens que fiz foi como ator.

Por que os curtas não têm espaço em críticas de jornais e atenção da mídia em geral?
Creio que talvez porque de alguma forma o meio editorial considera o curta-metragem uma forma de cinema "menor". Coisa de cineastas iniciantes. Que os curtas não geram interesse para o grande público de uma forma geral. O curta acaba restrito ao meio cinematográfico. Acho que a internet se tornou uma grande solução para distribuição de curtas, com sites especializados e redes sociais como o Vimeo. Na TV a cabo também existem alguns programas destinados exclusivamente para os curtas. Afinal o que todo cineasta quer é que as pessoas assistam a seus filmes.

Na sua opinião, como deveria ser a exibição dos curtas para atingir mais público?
Teve uma época em que exibiam os curtas antes dos longas-metragens. Eu gostava. Acho que isso era uma boa forma de distribuição.

O curta-metragem para um profissional (seja ele da atuação, direção ou produção) é o grande campo de liberdade para experimentação?
Não sei se existe isso de "é o grande campo de liberdade para experimentação" porque um artista tem sempre que lidar com a experimentação, mas com certeza as pessoas se arriscam mais ao fazer um curta do que um longa.

O curta-metragem é um trampolim para fazer um longa? 
Não necessariamente. Cada um tem um caminho. Mas com certeza curtas bens realizados, podem ajudar o cineasta a levantar novos projetos, inclusive de longas.

Qual é a receita para vencer no audiovisual brasileiro?
(Risos). Acho que não tem receita não, mas se tiver, eu prefiro inventar a minha e testar.

Pensa em dirigir um curta futuramente?
Eu já dirigi três curtas: "Tristeza e Isidoro", "Absoluta" e "Laura" esse ultimo em parceria com Bruno Gael.

Nenhum comentário: